Entre roças e florestas: passado e presente na Mata Atlântica do estado do Rio de Janeiro

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este trabalho trata da coexistência de ambientes florestais com ambientes agrícolas em duas áreas da Mata Atlântica na região Sudeste do Brasil. Uma está localizada na Ilha Grande (litoral sul do estado do Rio de Janeiro), sua superfície é quase toda coberta por florestas, que, em sua maior parte, recobriram áreas anteriormente cultivadas pelos caiçaras. A outra área é o Maciço da Pedra Branca (na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro), também recoberta por florestas secundárias onde ainda existem alguns cultivos. Nesta última, estuda-se a relação dos agricultores com a dinâmica de crescimento da cidade. Nos dois casos, examinam-se os conflitos e particularidades advindos da coexistência de unidades de conservação com comunidades de plantadores e as consequências perante a dinâmica da Mata Atlântica. O registro dessas experiências, por meio de uma perspectiva interdisciplinar de longa duração sobre a paisagem, pode trazer novos enfoques sobre os processos de coevolução das sociedades humanas com o meio natural.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Rogério Ribeiro de Oliveira Puc-Rio
  • Annelise Caetano Fraga Fernandez Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Biografia
Rogério Ribeiro de Oliveira, Puc-Rio
Fez a graduação em Comunicação Social na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, o mestrado e o doutorado em Geografia na Universidade Federal do Rio de Janeiro e o pós-doutorado na Universidade Alpen-Adria, Áustria (2007). Atualmente é professor associado do Departamento de Geografia da PUC-Rio e membro do corpo docente dos Programas de Pós Graduação em Geografia da PUC-Rio e de Engenharia Urbana e Ambiental, da PUC-Rio/Universidade de Braunschweig e colaborador do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais e Florestais da UFRRJ. Presentemente está realizando estágio pós-doutoral do Programa de Pós-graduação em Arqueologia do Museu Nacional (UFRJ). Seu interesse maior é o estudo das interações entre sociedade e natureza ao longo do tempo. Suas pesquisas combinam as abordagens da ecologia histórica, da ecologia da paisagem e da história ambiental.
Annelise Caetano Fraga Fernandez, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
 professora adjunta do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFRRJ. Possui mestrado em Antropologia e Sociologia e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordena o Núcleo de Estudos em Ambiente, Território e Sistemas Agroalimentares (NEATS). Seus principais temas de pesquisa são: natureza, espaço e sociedade, participação e campesinato. Atualmente desenvolve trabalho relacionado a dinâmicas territoriais, conflitos ambientais, participação em conselhos, redes sociotécnicas e sistemas agroalimentares.
Referências

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

OLIVEIRA, R. R. DE; FERNANDEZ, A. C. F. Entre roças e florestas: passado e presente na Mata Atlântica do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, n. 32, 10 mar. 2017.

Seção

Estudos

Publicado:

Mar 10, 2017
Palavras-chave:

Populações Tradicionais. Agricultura de Subsistência. Florestas Secundárias. Turismo Comunitário.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.