O DESENVOLVIMENTO PELA AMPLIAÇÃO DAS LIBERDADES HUMANAS O PAPEL DA LIBRAS E DA EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA A PESSOA COM SURDEZ NO BRASIL

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa exploratória que busca fazer uma aproximação da teoria do desenvolvimento como liberdade de Amartya Sen com as ciências ambientais, a partir do humano com ser biológico (natureza) e ser social (sociedade). Com muitas indagações, nem todas respondidas, porém refletidas, o texto discute a Surdez, o Surdo e os Sinais, a partir de três campos de conhecimento científico – clínico-patológico, sociologia e linguagem (duas áreas: natureza e humanidades) –, e a Deficiência, discutida pelas organizações civis. Discussão que apoia a compreensão das diferenças humanas e, portanto, dos instrumentos para ampliação das liberdades substantivas. Buscou-se por meio de revisão documental os instrumentos que permitiriam a ampliação das liberdades substantivas da pessoa com surdez no Brasil, partindo da Constituição de 1988, observou-se a institucionalização da Libras e da educação bilíngue. Para além do dialogo interdisciplinar, o texto argumentativo tece alguns comentários sobre a sociedade, que ampara o modelo de desenvolvimento como liberdade, ser pautada em estruturas sociais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Mayra Taiza Sulzbach
  • Dinair Iolanda da Silva Natal
Biografia
Referências

ALMEIDA, W. G.(Org.). Educação de surdos: formação, estratégias e prática docente. Ilhéus, BA: Editus, 2015.

ALPENDRE. E. V. Concepções sobre surdez e linguagem e a aprendizagem de leitura. Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência da Educação Diretoria de Políticas e Programas Educacionais Programa de Desenvolvimento Educacional – PDE. Curitiba. 2008.

BARONI, A. C.; GUHUR, M. L. A Importância da família no processo de escolarização do filho. Revista do Departamento de Teoria e prática da Educação. Maringá, v.5, n. 10, 2002, p. 89 – 104.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Educação, da Cultura e do Desporto. Previdência da República subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em 1º de janeiro de 2019.

________. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes de base da educação nacional. Previdência da República subchefia para assuntos jurídicos, Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em 30 de dezembro de 2018.

________. Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Dispõe sobre a promoção da Acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. 2000. Disponível em: . Acesso em 15 de abril de 2019.

_________. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Previdência da Republica. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. 2002. Disponível em: Acesso em 30 de dezembro de 2018.

_________. Decreto n.5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436 de 24 de abril de 2002, dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, e o art.18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: . Acesso em 30 de dezembro de 2018.

CASANOVA, J. P. Manual de fonoaudiologia. Artes médicas. Porto Alegre, 1992.
DINIZ, G. M.; MARIN, S. R.; FEISTEL, P. R. A educação pela perspectiva da abordagem das capacitações. Economia-Ensaios, Uberlândia, v. 32, n. 1: p. 217-240, jul./dez. 2017.

DURAN, S. Movimento propõe que deficiente auditivo se assuma. Folha de São Paulo. 24 de julho de 2003. Disponível em: http://www.saci.org.br. Acesso em 15 de setembro de 2018.

FERNANDES, S., Surdez e linguagens: é possível o diálogo entre as diferenças? . 228 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Universidade Federal do Paraná- Curitiba.1998.

_______, Educação Bilíngue para Surdos: identidades, diferenças, contradições e mistérios. 213 f. Tese (Doutorado em Educação- Setor Ciências Humanas, Letras e artes) Universidade Federal do Paraná- Curitiba. 2003.

________. Educação Bilíngue para Surdos: trilhando caminhos para a prática pedagógica. Curitiba: SEED/SUED/DEE, ago. 2004.

_______, Educação de surdos. Curitiba: BPEX, 2007.

GOLDFELD, Marcia. A Criança Surda Linguagem e Cognição numa perspectiva sociointeracionista/2ª ed. São Paulo: Plexus Editora, 2002.

LACERDA, C.B.F. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos Cedes, Campinas, v. 26, n. 69, p. 163-184, 2006.

LAMOGLIA, A. Surdez e direitos humanos – o que diz o Relatório Mundial Sobre Deficiência da Organização Mundial de Saúde. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional. v. 03, n 04, Julho, 2015.

NIELSSON, J. G. Direitos humanos, desenvolvimento e justiça: uma leitura a partir da obra de Amartya Kumar Sen, 125 f. Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento, 2007) Ijuí, 2012.

OMS. Relatório Mundial sobre a Deficiência/World Health Oreganization, The World Brank; tradução Lexicus Serviços Linguísticos. – São Paulo : SEDPcD, 2012.

PARANÁ. Lei nº 12.095, de 11 de março de 1998. Reconhece oficialmente a linguagem gestual codificada na Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS e outros recursos de expressão a ela associados, como meio de comunicação objetiva e de uso corrente. https://leisestaduais.com.br/pr/lei-ordinaria-n-12095-1998-parana-estabelece-o-estatuto-da-pessoa-com-deficiencia-do-estado-do-parana https://leisestaduais.com.br/pr/lei-ordinaria-n-12095-1998-parana-estabelece-o-estatuto-da-pessoa-com-deficiencia-do-estado-do-parana. Acesso em 16 de abril de 2020.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira Estudos Linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SALES, A. M. et al. Deficiência auditiva e surdez: visão clínica e educacional. Seminário apresentado na Universidade Federal de São Carlos, UFSCar, São Carlos. 2010.

SCHUBERT, S. E. de M. Limites e possibilidades da educação bilíngue para surdos no contexto das políticas de inclusão (1990-2017): implicações à formação de professores 2017. 389 f. Tese (Doutorado em Educação, 2017) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2017.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade/Amartya Sen; tradução Laura Teixeira Motta; revisão técnica Ricardo Doninelli Mendes. - São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SENA, E. C. O surdo e o trabalho: perspectivas de desenvolvimento profissional. 2011. 111 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

SILVA, M. da P. M. A construção de sentidos na escrita do aluno surdo. São Paulo: Plexus, 2001.

SOUZA, R. M. Que palavra que te falta? Linguística, educação e surdez. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

STROBEL, K. L.; DIAS, S. M. S. Surdez: abordagem geral. FENEIS: Curitiba, 1995.

STROBEL, K.L. Surdos: Vestígios culturais não registrados na história. Tese doutorado- Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciência da Educação. Programa de Pós-graduação em Educação. Florianópolis: UFSC, 2006.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

TAIZA SULZBACH, M.; NATAL, D. I. DA S. O DESENVOLVIMENTO PELA AMPLIAÇÃO DAS LIBERDADES HUMANAS O PAPEL DA LIBRAS E DA EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA A PESSOA COM SURDEZ NO BRASIL. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 37, p. 1-24, 29 jul. 2021.

Seção

Estudos

Publicado:

Jul 29, 2021
Palavras-chave:

Desenvolvimento humano. Surdez. Lingua de sinais

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.