BOLSAS CAPES DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL 1952-2019 um estudo a partir dos contextos de internacionalização da educação superior

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

A educação superior brasileira e sua internacionalização são, historicamente, intensamente dependentes do Estado e do governo federal. Um exemplo disso foi o Ciência sem Fronteiras - CsF, programa que surgiu em 2011 com a audaciosa meta de conceder, em quatro anos, 101 mil bolsas de mobilidade estudantil e docente internacionais. Esse programa foi considerado estratégico no governo Dilma, porém foi descontinuado tão logo ela saiu do poder. Neste artigo, busca-se situar a Capes e, mais especificamente, o CsF no histórico das políticas de educação superior dos diferentes governos federais. Dessa forma, a partir de uma pesquisa bibliográfica e de análise documental, foi analisada a concessão de bolsas no exterior pela Capes, governo a governo, sendo proposta uma divisão da história da mobilidade estudantil para o exterior em seis períodos, onde são observados decréscimos de bolsas nos governos Costa e Silva, Médici, Itamar Franco, FHC e Temer. Além disso, foi elaborado um índice de mobilidade educacional (IME), que permitiu uma comparação relativa entre os diferentes governos federais em relação ao número de alunos de mestrado e doutorado, observando-se redução do indicador nos governos Itamar Franco, FHC e Temer, ditos liberais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Viviane Xavier de Araújo Cruz
Biografia
Viviane Xavier de Araújo Cruz
Doutora em Educação em Ciências pela UFRGS, Mestre em Administração Pública pela UFG, Especialista em Relações Internacionais pela UnB. Atua profissionalmente na Coordenação Geral de Normatização e Estudos da Diretoria de Avaliação da CAPES e tem como especialidade avaliação e normatização de políticas públicas de educação superior.
Marcelo Leandro Eichler, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Possui Licenciatura em Química (1997), mestrado em Psicologia (2000) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento (2004), todos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Lecionou em outras quatro universidades públicas (UERGS, UFBA, FURG e UFSC) e, atualmente, é professor adjunto do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), docente permanente dos programas de pós-graduação em Educação (UFRGS) e em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (UFRGS/UFSM/FURG).
Referências

AVEIRO, T. M. M.; SANTOS, A. B.. A capacitação de recursos humanos de alto nível no exterior como parte da missão histórica da Capes. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, Volume 04, Número 05, Agosto 2016

BARROS, E. M. C. Política de Pós-Graduação no Brasil: um estudo da participação da comunidade científica. São Carlos: EdUFSCar, 1998.

BATISTA, R. L. A ideologia da nova educação profissional no contexto da reestruturação produtiva. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011. 357 p.

BRASIL. Presidente (2011-2016: Dilma Rousseff). Discurso na cerimônia de anúncio da expansão da Rede Federal de Educação Superior e Profissional e Tecnológica. Palácio do Planalto, 16 de agosto de 2011. Disponível em: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/discursos/discursos-da-presidenta/

CAPES. Relatório CAPES 1979 a 1985. Brasília, fevereiro de 1985.

______. Infocapes v.7, n. 4 1999. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/Info4_99.pdf

______. INFOCAPES. Boletim Informativo Vol. 10, Nº 4 out/dez 2002. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/bolsas/Infocapes10_4_2002.pdf

______. Plano Nacional De Pós-Graduação (PNPG) 2005-2010. Brasília, 2004. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/PNPG_2005_2010.pdf

______. CAPES 60 anos: Seis décadas de evolução da pós-graduação. Revista comemorativa, julho de 2011. Disponível em: https://www.capes.gov.br/images/stories/download/Revista-Capes-60-anos.pdf

______. Folder Capes 65 anos: uma agência que pensa o futuro do Brasil. 2016. Disponível em: https://www.capes.gov.br/65anos/folder-65-anos.pdf

______. GeoCapes. 2020. Disponível em: https://geocapes.capes.gov.br/geocapes/ Acesso em 08/04/2020.

CASARA, R. Estado pós-democrático: neo-obscurantismo e gestão dos indesejáveis. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017

CONTEL, F. B.; LIMA, M. C. Aspectos da internacionalização do ensino superior: origem e destino dos estudantes estrangeiros no mundo atual. INTERNEXT – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 167-193,
jul./dez. 2007.

CORBUCCI, P. R. Financiamento e democratização do acesso à educação superior no Brasil: da deserção do Estado ao projeto de reforma. Educ. Soc. [online]. 2004, vol.25, n.88, pp.677-701. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000300003.

CÓRDOVA, R. CAPES: origem, realizações, significações (1951-2002). Brasília, s.n., 2003.

CUNHA, L. A. A Universidade Reformada: o golpe de 1964 e a modernização do ensino superior (2ª ed). São Paulo: UNESP, 2007.

DUTRA, R. C. de A.; AZEVEDO, L. F. de. Programa “Ciência sem Fronteiras”: geopolítica do conhecimento e o projeto de desenvolvimento brasileiro. Ciência Sociais Unisinos, v. 52, n. 2, p. 234–243, 2016.

FIORI, J. L. O vôo da coruja: para reler o desenvolvimento brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2003.

GUIMARÃES-IOSIF, R. (2016). Programa Ciência sem Fronteiras: a tradução da política de internacionalização brasileira no Canadá. Canoas: Interface Brazil/Canadá, pp. 16-39, 2016.

KATO, F. B. G.; FERREIRA, L. R. A política de expansão e financiamento da pós-graduação: as diretrizes do PNPG (2011-2020) e PNE (2014-2024). RBPAE - v. 32, n. 3, p. 677 - 697 set./dez. 2016

LAUS, S. P.; MOROSINI, M. C. Internationalization of Higher Education in Brazil. In: WIT, H., JARAMILLO, I., GACEL-ÁVILA, J., KNIGHT, J. (Eds). Higher Education in Latin America: the International Dimension. Washington: The World Bank, 2005.

LIMA, M. C.; CONTEL, F. Períodos e Motivações da Internacionalização da Educação Superior Brasileira. 5ème colloque de l’IFBAE. Grenoble, 2009.

______. Internacionalização da Educação Superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda, 2011

MANÇOS, G. R.; COELHO, F. S. Internacionalização da Ciência Brasileira: subsídios para avaliação do programa Ciência sem Fronteiras. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais – RPPI, v. 2 n. 2, 2017.

MARTINS, C. B. O Ensino Superior Brasileiros nos Anos 90. São Paulo Perspec. vol.14 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000100006

MATTOS, L. K. A internacionalização da pós-graduação brasileira: investimento e avaliação na área de ciências sociais aplicadas. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Florianópolis, 2018.

MAZZA, D. Intercâmbios acadêmicos internacionais: bolsas Capes, CNPq e Fapesp. Cad. Pesqui. vol.39 no.137 São Paulo May/Aug. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742009000200010

McMANUS, C.; NOBRE, C. A. Brazilian Scientific Mobility Program - Science without Borders: Preliminary Results and Perspectives. Anais da Academia Brasileira de Ciências, v. 89, n. 1, pp. 773-786, 2017.

MENDES, F. Z. Cooperação e integração regional na perspectiva Sul-Sul: contribuições à internacionalização da educação superior. Dissertação apresentada ao curso de Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão Educacional. Santa Maria: UFSM, 2019.

MOREL, R. Ciência e Estado: a política científica no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

MOTTA, R. P. S. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014

OSBORNE, D.; GAEBLER, T. Reinventing Government. New York: Penguin Press, 1992.

PETERNELLA, A. Crise da pedagogia e suas implicações à formação do pedagogo no início do século XXI. 2016. 289 f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, 2016.

ROSSATO, R. Universidade: nove séculos de história. Passo Fundo: Ediupf, 1998.

SANTOS, C. M.. Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Revista
Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 83, p. 627-641, 2003.

SOUZA, J. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. Rio de Janeiro: Leya, 2016.

SUCUPIRA, N. Antecedentes e primórdios da pós-graduação. Forum educ., Rio de Janeiro, 4 (4): 3-18. out./dez, 1980.

VELLOSO, J. Pesquisa educacional na América Latina: tendências, necessidades e desafios. Cad. Pesq. São Paulo, n. 81, pp.5-21, maio 1992. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/986/996

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

CRUZ, V. X. DE A.; EICHLER, M. L. BOLSAS CAPES DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL 1952-2019. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 37, p. 1-25, 29 jul. 2021.

Seção

Estudos

Publicado:

Jul 29, 2021
Palavras-chave:

Internacionalização da Educação. Programas Educacionais. Bolsas de Estudo.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.