LITERACIA EM SAÚDE possibilidades de desenvolvimento a partir de ações de letramento informacional

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O presente artigo originou-se de um levantamento bibliográfico para identificar instrumentos de avaliação de literacia em saúde no Brasil e os submeteu a análise de conteúdo (Bardin). Observou-se a relação entre a literacia em saúde e o letramento informacional visto que ambos englobam um conjunto de habilidades que auxiliam os sujeitos na busca, na avaliação e no uso das informações de que necessitam. Isto possibilitou refletir sobre a possibilidade de bibliotecas atuarem, a partir do letramento informacional, na melhoria dos níveis de literacia em saúde contribuindo para que os sujeitos desenvolvam maior competência na sua relação com a informação e melhoria na gestão da sua própria saúde.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Luciane Alves Santini, PPGEC/UFRGS
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências (PPGEC/UFRGS), Bibliotecária Instituto Federal do Rio Grande do Sul, campus Viamão. Porto Alegre, RS, Brasil. lua.santini@gmail.com
Eliane Moro, FABICO/UFRGS
Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEdu/UFRGS), professora da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (FABICO/UFRGS) e do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências (PPGEC/UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. elianemoro23@gmail.com
Lizandra Estabel, PPGEC/UFRGS
Doutora em Informática na Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGIE/UFRGS), professora do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências (PPGEC/UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. lizandra.estabel@poa.ifrs.edu.br
Referências

ALA - AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION. Report of the Presidential Committee on Information Literacy: Final Report. 1989. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2020.


ASSMANN, Hugo. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ciência da Informação, Brasilia, v. 29, n. 2, p. 07–15, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0100-19652000000200002. Acesso em: 05 maio 2020;


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.


BARI, Valéria Aparecida. A inclusão social e a competência informacional: uma situação universitária. Interdisciplinar, São Cristovão, v. 10, n. 5, p. 343–360, 2010.


BOFF, Daiane Scopel; ZANETTE, Carla Roberta Sasset. O desenvolvimento de competências, habilidades e a formação de conceitos: eixo fundante do processo de aprendizagem. In: , 2010, Caxias do sul. CONGRESSO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO, 5. Caxias do sul: UCS, 2010. Disponível em: http://www.ucs.br/ucs/tplcinfe/eventos/cinfe/artigos/artigos/arquivos/eixo_tematico8/O DESENVOLVIMENTO DE COMPETENCIAS.pdf. Acesso em: 14 out. 2020.


CARTHERY-GOULART, Maria Teresa et al. Desempenho de uma população brasileira no teste de alfabetização funcional para adultos na área de saúde. Revista de Saude Publica, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 631–638, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102009005000031. Acesso em: 14 out. 2020.


CASTELLS, M. A sociedade em rede. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.


CAVALCANTE, Ricardo Bezerra; PEDRO, Calixto; PINHEIRO, Marta Macedo Kerr. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 24, n. 1, p. 13–18, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/10000. Acesso em: 14 out. 2020.


CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS. Percepção pública da C&T no Brasil: 2019 resumo executivo. Brasília: [s. n.], 2019. Disponível em: http://www.cgee.org.br. Acesso em: 14 set. 2020.


DUDZIAK, Elisabeth Adriana. A Information Literacy e o papel educacional das bibliotecas. 187 f. 2001. - Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.


DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information literacy : princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. p.23-35, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n1/15970.pdf. Acesso em: 19 abr. 2020.


GASQUE, Kelley Cristine Gonçalves Dias. Letramento Informacional: pesquisa, reflexão e aprendizagem. Brasília: FCI/UnB, 2012.


GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.


HERNÁNDEZ SAMPIERI, Roberto; COLLADO FERNÁNDEZ, Carlos; BAPTISTA LUCIO, María del Pilar. Metodologia de pesquisa. 5.ed.ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

MACEDO, Lino de. Situação-problema: forma e recurso de avaliação, desenvolvimento de competências e aprendizagem escolar. In: PERRENOUD, Philippe et. al. As Competências para Ensinar no Século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MACHADO, Nilson José. Sobre a ideia da competência. In: PERRENOUD, Philippe et. al. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2002.


MARQUES, João Pedro Duarte. Literacia em Saúde: avaliação através do European Health Literacy Survey em português num serviço de internamento hospitalar. 92 f. 2015. - Dissertação (Mestrado em Gestão dos Serviços de Saúde) - ISCTE Business School, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2015.


PASSAMAI, Maria da Penha Baião et al. Functional Health Literacy: Reflections and concepts on its impact on the interaction among users, professionals and the health system. Interface: Communication, Health, Education, Botucatu, v. 16, n. 41, p. 301, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000027


PRESSER, Nadi Helena. Competência informacional como recurso emancipatório – estudo de caso com portadores de Diabetes Mellitus. Biblios: Journal of Librarianship and Information Science, Pittsburgh, v. 0, n. 48, p. 55–67, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.5195/BIBLIOS.2012.63. Acesso em: 17 abr. 2019.


SABOGA-NUNES, Luis et al. Literacia para a saúde: origens e implicações do conceito. In: SANOGA-NUNES, Luis et al. (org.). O Papel da Literacia para a Saúde e Educação para a Saúde na Promoção da Saúde. Curitiba: Editora CRV, 2019. p. 13–31.


SABOGA-NUNES, Luís. Literacia para a saúde e a conscientização da cidadania positiva. Revista de Enfermagem Referência, [s. l.], v. 3, n. 11, p. 94–99, 2014.

SERAFIM, Lucas Almeida. Competências em Informação na Educação Superior: um estudo com os professores do curso de Agronomia do Campus UFC Cariri. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2011.

SANTOS, Luanda T. M. Validação do Teste de Avaliação do Letramento em Saúde (TALES), um Questionário Brasileiro de Avaliação de Letramento em Saúde. 155 f. 2017. - Tese (Doutorado em Saúde Brasileira) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017.

VIGOTSKY, Lev Semenovich. A Formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SANTINI, L. A.; MORO, E. L. DA S.; ESTABEL, L. B. LITERACIA EM SAÚDE. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 37, p. 1-19, 29 jul. 2021.

Seção

Estudos

Publicado:

Jul 29, 2021
Palavras-chave:

Literacia em saúde. Letramento informacional. Mediação da informação

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.