Mulheres economistas uma análise de gênero em universidades de Minas Gerais

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este estudo tem o objetivo de analisar como as relações de gênero podem influenciar a carreira acadêmica superior de professoras do curso de Economia que lecionam em nove instituições de Minas Gerais: Universidade Federal de Juiz de Fora, Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal de Ouro Preto, Universidade Federal de São João del-Rei, Universidade Federal de Uberlândia, Universidade Federal de Viçosa, Universidade Federal de Viçosa (Departamento de Economia Rural), Universidade Federal de Alfenas e Universidade Estadual de Montes Claros. Para tanto, entrevistas estruturadas foram usadas como recurso metodológico com intuito de investigar desde a escolha do curso até o desenvolver da jornada acadêmica dessas mulheres. Assim como em muitas outras profissões, as docentes de Economia enfrentam percalços e renúncias que só podem ser compreendidos na perspectiva de gênero. Dessa forma, os resultados revelaram a existência de barreiras de gênero caracterizadas pela imagem masculina do economista e pela pouca credibilidade dada as mulheres no campo. Além disso, os relatos mostraram que, muitas vezes, para permanecer na carreira docente em Economia é preciso enfrentar preconceitos, discriminações, estereótipos de gênero e sexismo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Cibele Guedes Santiago Rosa a:1:{s:5:"pt_BR";s:31:"Universidade Federal de Viçosa";}
  • Cristiane Márcia dos Santos
Biografia
Referências

ARTES, Amélia. Presença de mulheres no ensino superior brasileiro: uma maioria sem prestígio. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 11.; Mundo de Mulheres, 13.; Florianópolis. Anais Eletrônicos [...]. Florianópolis: UFSC, 2017.

BARRETO, Andreia. A mulher no ensino superior: distribuição e representatividade. Cadernos do GEA, n. 6, jul./dez., Rio de Janeiro: FLACSO, GEA; UERJ, LLP, 2014.

BELTRÃO, K. I.; ALVES, J. E. D. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 136, p. 125-156, 2009.

BELTRÃO, K. I.; TEIXEIRA, M. De P. O vermelho e o negro: raça e gênero na universidade brasileira: uma análise da seletividade das carreiras a partir dos censos demográficos de 1960 a 2000. Brasília: IPEA: 2004.

BOLFARINE, H., BUSSAB, W. O. Elementos da amostragem. São Paulo, Universidade de São Paulo, Instituto de Matemática, 2004.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Divulgação dos resultados: censo da educação superior 2019. Brasília: Inep, 2020.

BRUSCHINI, C. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007.

CARVALHO, M.; RABAY, G.; SILVA, L. Carreiras docentes de mulheres em departamentos masculinos: mudanças geracionais. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 10., Florianópolis, SC, 2013. Anais [...]. Florianópolis, 2013.

DIAZ, M. D. M. et al. As mulheres nos diferentes estágios da carreira acadêmica em Economia no Brasil. EconomistAs – Brazilian Women in Economics (Relatório BWE), 2020. Disponível em: https://bwe.fea.usp.br/wp-content/uploads/sites/834/2021/03/Pesquisa_Departamento___Relatorio_Geral_2020.pdf Acesso em: 15 de setembro de 2020.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GASSER, C. E.; SHAFFER, K. S. Career development of women in academia: Traversing the leaky pipeline. Estados Unidos: NBCC, 2014.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

GUEDES, M. de C. A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino. História, Ciência, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, p.117-132, jun. 2008.

LUNDBERG, S.; STEARNS, J. Women in economics: stalled progress. Journal of Economic Perspectives, v. 33, n. 1, 2018.

MAFFÍA, D. Crítica feminista à ciência. In: Costa, A. A. A.; Sardenberg, C. M. B. (orgs). Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador: REDOR/NEIM-FFCH/UFBA, 2002. p. 25-38.

MOSCHKOVICH, M. B. F. G. Teto de Vidro ou paredes de fogo? Um estudo sobre gênero na carreira acadêmica e o caso da UNICAMP. 2013. Dissertação (Mestrado em educação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, São Paulo, 2013.

OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez., 2011.

PINTO, E. J. S. Relações de gênero na carreira acadêmica em Engenharia Civil. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2019.

PUCCI, L. M. As mulheres das ciências econômicas: análise da representatividade das temáticas de gênero e feminista na produção acadêmica brasileira. Orientadora: Liana Bohn. 2020. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

RISTOFF, D. A mulher na educação superior brasileira. In: SIMPÓSIO GÊNERO E INDICADORES DA EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA. Brasília, Anais [...]. Brasília: MEC, 2007.

ROCHA, F.; MELLO, L.; JACKS, N. A pesquisa empírica em comunicação através do levantamento de dados secundários. In: ENCUENTRO PANAMERICANO DE COMUNICACIÓN, 6., 2013, Córdoba. Anais [...]. Córdoba: COMPANAM, 2013.

ROSEMBERG, F. Educação e gênero no Brasil. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 11, 1994.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

GUEDES SANTIAGO ROSA, C.; DOS SANTOS, C. M. Mulheres economistas: uma análise de gênero em universidades de Minas Gerais. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–31, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.1911. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1911. Acesso em: 18 abr. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

set. 13, 2023
Palavras-chave:

Mulheres, Economistas, Carreira, Desigualdade, Docência

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.