A representação feminina no ensino das Ciências Ambientais uma análise por meio do u-multirank gender monitor

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

A análise da Pós-Graduação pelo U-Multirank Gender Monitor pode explicitar desequilíbrios entre os gêneros nos cenários acadêmicos e coorporativos, de modo que o desequilíbrio numérico – quantitativo – pode resultar em uma não equidade de gênero – qualitativo. A área de avaliação das Ciências Ambientais tem como premissa a representação dos gêneros em seus espaços – representação descritiva e formal –, e em suas produções e desdobramentos – representação substantiva e simbólica. O objetivo deste trabalho foi avaliar a tendência de equilíbrio numérico entre os gêneros por meio da ferramenta U-MultiRank Gender Monitor e seu desdobramento – produtividade, pegada ecológica e índice de gênero –, avaliando a área de concentração Ensino das Ciências Ambientais do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais associada da Universidade Federal de Pernambuco. Os resultados demonstraram que o Programa possui uma representatividade feminina dentro dos padrões exigidos no U-MultiRank Gender Monitor e sua produção é coerente com esta representatividade. Os destaques foram que a produção sistematizada pelas discentes resultaram em impactos socioambientais – redução de pegadas ecológicas – e que estas discentes, pelo conhecimento construído e pela práxis socioambiental, reduziram em seus espaços os cenários de discriminação e restrição em relação ao gênero. Assim, o índice de gênero melhorou – reduziu – nas quatro dimensões avaliadas: discriminação na família, integridade física restrita, acesso restrito a recursos produtivos financeiros, e liberdades civis restritas. Isso certificou que o Programa em Rede da UFPE conseguiu cumprir as metas do Objetivo 5 de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 e das metas de Governança Socioambiental e Corporativa.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Otacilio Antunes Santana, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutorado em Ciências Florestais em Universidade de Brasília, UNB, Brasil. 

Referências

NDRÉ, M.; PRINCEPE, L. O lugar da pesquisa no mestrado profissional em Educação. Educar em Revista, n. 63, p. 103-117, 2017.

ATTENA REPOSITÓRIO DIGITAL DA UFPE. Dissertações de Mestrado - Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais (ProfCiAmb). Disponível em https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/30210. Acesso em: 15 jul. 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Plataforma Lattes. Currículo Lattes. 2022. Disponível em: lattes.cnpq.br. Acesso em: 10 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 20 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superio (CAPES). Plataforma Sucupira. Cursos avaliados e reconhecidos 2013-2016. 2017. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira. Acesso em: 20 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superio (CAPES). Mestrado Profissional: o que é?. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/avaliacao/sobre-a-avaliacao/avaliacao-o-que-e/sobre-a-avaliacao-conceitos-processos-e-normas/mestrado-profissional-o-que-e#:~:text=O%20Mestrado%20Profissional%20(MP)%20%C3%A9,demanda%20do%20mercado%20de%20trabalho. Acesso em: 13 jun. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superio (CAPES). Sumário Executivo PNPG 2011-2020. Brasília: Capes. 2021a. Disponpivel em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/documentos/09022022_SumrioExecutivoPNPG20112020.pdf. Acesso em: 20 maio 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superio (CAPES). Orientações Registro de Resultados e Produções Intelectuais – PROF em rede. 2021b. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/avaliacao/sobre-a-avaliacao/areas-avaliacao/sobre-as-areas-de-avaliacao/colegio-de-ciencias-exatas-tecnologicas-e-multidisciplinar/multidisciplinar/ciencias-ambientais. Acesso em: 20 maio 2022.

BRUSH, S. G. Women in science and engineering. American Scientist, v. 79, n. 5, p. 404-419, 1991.

BRYSON, T. C.; KOWALSKE, M. G. Black women in STEM graduate programs: the advisor selection process and the perception of the advisor/advisee relationship. Journal of Diversity in Higher Education, v. 15, n. 1, p. 111-123, 2022.

BUSE, K.; HILL, C.; BENSON, K. Establishing the research agenda for increasing the representation of women in engineering and computing. Frontiers in Psychology, v. 8, 2017.

BUTLER, J. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. New York: Routledge, 2006.

BUTLER, J. Notes toward a performative theory of assembly. Cambridge: Harvard University Press, 2015.

BUTLER, J.; BECK-GERNSHEIM, E.; PUIGVERT, L. Women & social transformation. New York: P. Lang. 2003.

CAVALCANTE, K. V. et al. Pós-Graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais (ProfCiAmb) aderência à Agenda 2030. In: SAMPAIO, C. A. C. S.; JUNIOR PHILIPPI, A. (orgs.). Impacto das ciências ambientais na Agenda 2030 da ONU. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2021, v. 1, p. 482-510.

CLARSEN, G. A fine university for women engineers: a scottish munitions factory in World War I. Womens History Review, v. 12, n. 3, p. 333-356, 2003.

CHHABRA, M.; FIORE, L. B.; PEREZ-VILLANUEVA, S. Violence against women: representations, interpretations, and education. Violence Against Women, v. 26, n. 14, p. 1743-1750, 2020.

GHINS, A. Representative democracy versus government by opinion. The Journal of Politics, v. 7, p. 1468-2508, 2022.

FATEMI, A.; GLAUM, M.; KAISER, S. ESG performance and firm value: the moderating role of disclosure. Global Finance Journal, v. 38, p. 45-64, 2018.

FOX, W. The deep ecology-ecofeminism debate and its parallels. Environmental Ethics, v. 11, n. 1, p. 5-25, 1989.

GAARD, G. Ecofeminism and wilderness. Enviornmental Ethics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1997.

GAARD, G. Vegetarian ecofeminism - A review essay. Frontiers-A Journal of Women Studies, v. 23, n. 3, p. 117-146, 2002.

JONUZ, E; SCHUCH, J. Resistance is possible: self-perception and perception by others of successful Romani women in the categories of class, race and gender. Zeitschrift fur Padagogik, v. 63, n. 6, p. 726-751, 2017.

KEANE, M. P.; WOLPIN, K. I. The career decisions of young men. Journal of Political Economy, v. 105, n. 3, p. 473-522, 1997.

KINGS, A. E. Intersectionality and the changing face of ecofeminism. Ethics and the environment, v. 22, n. 1, p. 63-87, 2017.

MALHEIROS, T. F. et al. Desafios e aprendizados do mestrado profissional em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais. Revista do NUPEM, v. 12, p. 300-318, 2020.

MALLORY, C. Locating ecofeminism in encounters with food and place. Journal of Agricultural & Environmental, v. 1, p. 171-189, 2013.

MAKAREM, Y; WANG, J. Career experiences of women in science, technology, engineering, and mathematics fields: A systematic literature review. Human Resource Development Quarterly, v. 31, n. 1, p. 91-111, 2020.

MCANDREW, D. A. Ecofeminism and the teaching of literacy. College Composition and Communication, v. 47, n. 3, p. 367-382, 1996.

MCMAHON, M. From the ground up: ecofeminism and ecological economics. Ecological Economics, v. 20, n. 2, p. 163-173, 1997.

MELESSE, T.; BELAY, S. Uplifting teachers’ professional capital through promoting engagement in professional learning: mediating effect of teacher job satisfaction. Cogent Education, v. 9, n. 1, 2022.

MONTE, S. R. S. do. O empate ambiental das heroínas do Tejucupapo: ensino por história em quadrinhos. 2020. Dissertação (Mestrado em Ensino das Ciências Ambientais) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2020.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. Objetivos de desenvolvimento sustentável. 2022. Disponível em: brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acesso em: 10 maio 2022.

NAEEM, M.; OZUEM, W. Exploring the use of social media sites for health professionals’ engagement and productivity in public sector hospitals. Employee Relations, v. 43, n. 5, p. 1029-1051, 2020.

ONG, M; JAUMOT-PASCUAL, N; KO, L T. Research literature on women of color in undergraduate engineering education: a systematic thematic synthesis. Journal of Engineering Education, v. 109, n. 3, p. 581-615, 2020.

PITKIN, H. The concept of representation. Berkeley: University of California Press, 1967.

PLATT, J. Women’s and men’s careers in British sociology. British Journal of Sociology, v. 55, n. 2, p. 187-210, 2004.

PRADO, A. F. B. A. Avaliação Acadêmica Multidimensional com o uso do “U-Multirank”. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 27, n. 1, p. 159-182, 2022.

RAMON, M. D. G.; GUITART, A. O.; FERRET, M. P. Espacios públicos, género y diversidad: geografías para unas ciudades inclusivas. Barcelona: Icaria. 2014.

SANTANA, O. A. Evasão nas licenciaturas das universidades federais: entre a apetência e a competência. Educação, v. 41, p. 311-327, 2016a.

SANTANA, O. A. Resistência social na Caatinga árida: a narrativa de quem ficou no colapso ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 38, p. 419-438, 2016b.

SANTANA, O. A. Moradores de ocupações ilegais urbanas no ensino superior em Recife. Revista de Educação Pública, v. 27, p. 133-156, 2017.

SANTANA, O. A. et al. Ensino de ciências ambientais rumo à profissionalização: uma análise cientométrica. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 14, p. 1-17, 2017.

SANTANA, O. A.; PEREIRA, F. C. A.; SILVA, C. F. E. Ensino das ciências ambientais e a redução da pegada hídrica: a práxis ambiental do PROFCIAMB em Pernambuco. In: WORKSHOP INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE, INDICADORES E GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS, 2., 2020, [s.l.]. Anais [...]. [s.l.]: PUC Campinas; EESC/USP; CT-RN; CT-ID, 2020, p. 1-16.

SCHWINDT-BAYER, L. A.; MISHLER, W. An integrated model of women’s representation. The Journal of Politics, v. 67, p. 407-428, 2005.

SIGMAPLOTng. Software. 2022. Disponível em: sigmaplot.com/. Acesso em: 10 maio 2022.
SIMOSI, M.; DASKALAKI, M.; ROUSSEAU, D. M. What's next? Career narratives of women university graduates in times of precarity. European Management Review, v. 8, e.12482, 2021.

SLICER, D. There and ecofeminism deep ecology debate. Environmental Ethics, v. 17, n. 2, p. 151-169, 1995.

SOCIAL INSTITUTIONS AND GENDER INDEX (SIGI). Global Reports. 2022. Disponível em: genderindex.org. Acesso em: 10 maio 2022.

STOCKARD, J.; ROHLFING, C. M.; RICHMOND, G. L. Equity for women and underrepresented minorities in STEM: graduate experiences and career plans in chemistry. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 118, n. 4, 2021.

U-MULTIRANK. U-Multirank gender monitor. 2021. Guetersloh: U-Multirank. Disponível em: shorturl.at/beyMU. Acesso em: 10 maio 2022.

UNITED STATES ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY (EPA). Carbon Footprint Calculator. 2022. Disponível em: https://www3.epa.gov/carbon-footprint-calculator/. Acesso em: 10 maio 2022.

URBINATI, N.; WARREN, M. E. The concept of representation in contemporary democratic theory. Annual Review of Political Science, v. 11, p. 387-412, 2008.

WATER FOOTPRINT. Calculator. 2022. Disponível em: https://www.waterfootprint.org/. Acesso em: 10 maio 2022.

WILSON, D; VANANTWERP, J. Left out: a review of women’s struggle to develop a sense of belonging in engineering. Sage Open, v. 11, n. 3, 2021.

ZAR, J. Biostatistical analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1999.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SANTANA, O. A. A representação feminina no ensino das Ciências Ambientais: uma análise por meio do u-multirank gender monitor. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–16, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.2000. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/2000. Acesso em: 25 jun. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

out. 27, 2023
Palavras-chave:

Índice de Gênero, Pegada Ecológica, Representação Simbólica

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.