Modelos lógicos na avaliação de um mestrado profissional: um exemplo de aplicação

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O artigo apresenta a aplicação de modelos lógicos na avaliação de um mestrado profissional em desenvolvimento e gestão social, que incluiu diversas etapas, como: descrição dos componentes do programa, representações gráficas do modelo lógico adotado, investigação das hipóteses de relações de causalidade entre os componentes e os resultados do curso. O método incluiu análises documentais e entrevistas. As representações gráficas foram analisadas em conjunto com o conteúdo das manifestações dos participantes durante as entrevistas. Os modelos lógicos facilitam a descrição dos componentes e a identificação de efeitos do programa sobre o desempenho dos egressos e das instituições afetadas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Daniela Borges Lima de Souza INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira
  • Gardênia da Silva Abbad Universidade de Brasília
  • Sônia Maria Guedes Gondim Universidade Federal da Bahia
Biografia
Daniela Borges Lima de Souza, INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira
Doutorado em Psicologia Social, das Organizações e do Trabalho pela Universidade de Brasília (2013). Mestrado em Psicologia Social pela Universidade Gama Filho (2003). Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001). Pesquisadora no Instituto Anísio Teixeira. Experiência docente, desde 2001, lecionando nos cursos de Psicologia, Direito, Administração, Comunicação Social, Enfermagem, Fisioterapia, Publicidade e Propaganda, Turismo e Tecnólogo em Recursos Humanos. Atua na orientação de estágios e de monografias de final de curso de graduação e especialização. Na área de pesquisa, com projetos multidisciplinares em Psicologia Organizacional e do Trabalho, Sistemas Instrucionais e Psicologia Social. Em projetos de extensão, na área de formação de lideranças e inclusão de portadores de necessidades especiais. Na área de EAD, experiência na coordenação pedagógica de pólo educacional e de cursos, com prática no desenvolvimento de materiais de apoio instrucional, tutoria e monitoria. Atuou na editoria de periódico científico e na coordenação de comitê institucional de ética em pesquisa, entre os anos de 2006 e 2008. Como consultora na área educacional e de pesquisa, presta assistência à instituições públicas e privadas no desenvolvimento de projetos nas áreas de EAD, Gestão de Pessoas e Sistemas Instrucionais. Com Experiência na área de Psicologia Social e Organizacional, atuando principalmente nos temas: trabalho e organização do trabalho, necessidades e avaliação de treinamentos, diagnóstico e avaliação de projetos e programas públicos e sociais, formação em gestão social, educação profissional e intervenções comunitárias.
Gardênia da Silva Abbad, Universidade de Brasília
Possui graduação, mestrado e doutorado em Psicologia pela Universidade de Brasília. Realiza pesquisas na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho com ênfase em aprendizagem, treinamento, desenvolvimento em educação, avaliação e medidas de avaliação de programas educacionais, presenciais e a distância, tecnologias de ensino em saúde e gestão de pessoas por competências. É professora Associada Nível 2, lotada no Departamento de Psicologia Social e do Trabalho e participa do corpo docente de dois programas de pós-graduação (PPGA e PSTO) da Universidade de Brasilia. Exerceu funções de chefe e subchefe de departamento, Diretora do Instituto de Psicologia e Decana de Gestão de Pessoas da UnB e foi membro da diretoria do Fórum de Pró-reitores de Recursos Humanos da Andifes. Foi presidente da Associação Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho - SBPOT, coeditora da Revista Psicologia, Organizações e Trabalho - rPOT, participou da Diretoria da ANPEPP e foi membro da Comissão de Avaliação de Programas de Pós-graduação em Psicologia na CAPES. É bolsista PQ, nível 1 C, membro do CA - Psicologia e Serviço Social do CNPq. Coordena um grupo de pesquisa que reúne doutorandos, mestrandos e estudantes de graduação e profissionais da área de TD&E e coordenou um projeto multidisciplinar de formação de mestres e doutores e produção de conhecimentos sobre ensino na saúde, financiado pela CAPES.
Sônia Maria Guedes Gondim, Universidade Federal da Bahia
Psicóloga e Professora Associada IV do Instituto de Psicologia da Universidade Federal da Bahia, com mestrado em Psicologia Social pela Universidade Gama Filho (1990) e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998). Fez estágio pós-doutoral de novembro de 2006 a outubro de 2007, tendo passado 6 meses na Universidade Complutense de Madri e os demais meses em Cambridge, UK, ambos com bolsa CNPq. Fez segundo estágio pós-doutoral na Espanha em 2013, tendo sido contemplada com Bolsa CAPES do Programa de Cooperação Internacional Brasil/Espanha. Atua na graduação e pós graduação do Instituto de Psicologia e no Centro de Estudos Interdisciplinares de Desenvolvimento e Gestão Social (CIAGS). Todos pertencentes à UFBA. É bolsista produtividade nível 2 do CNPq. Foi vice-diretora do Instituto de Psicologia da UFBA, editora associada da rPOT(Revista Psicologia, Organizações e Trabalho), e vice-presidente da Associação Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho (SBPOT). Atualmente é presidente da ANNP (Associação Norte e Nordeste de Psicologia) e membro da diretoria da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Psicologia (gestão 2016/2018). Coordena o grupo de pesquisa Emoções, Sentimentos e Afetos em Contextos de trabalho, desenvolvendo pesquisas sobre trabalho emocional, regulação emocional, emoções intergrupais, competências socioemocionais, regulação emocional e bem-estar subjetivo, psicológico e no trabalho. Outros interesses de pesquisa são criatividade e inovação organizacional, emoções e aprendizagem, estilos de aprendizagem, empreendedorismo, métodos qualitativos, especialmente grupos focais, métodos de pesquisa, engajamento no trabalho, desenho do trabalho e contratos psicológicos. 
Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2009.
BENALP, N. A theory of causation: causae e causantes (originating causes) as inus conditions in branching space-times. PhilSci Archive, Pittsburg, PA, 2002. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.
BRASIL. Ministério da Educação. Ministério da Fazenda. Portaria Interministerial nº 413, de 31 de dezembro de 2002. Define competências dos órgãos responsáveis pela implementação do Programa Nacional de Educação Fiscal – PNEF. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 jan. 2003. Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.
______. Ministério da Educação. O modelo lógico do Programa Brasil Alfabetizado (PBA). Brasília: Diretoria de Políticas da Educação de Jovens e Adultos, 2009. 25 slides.
______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Portaria Normativa/MEC nº 17, de 28 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o mestrado profissional no âmbito da Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2017.
______. Ministério da Educação. Brasil Alfabetizado. Brasília, DF, 2012. Disponível em: . Acesso em: jan. 2016.
______. MEC anuncia adoção da modalidade de doutorado profissional. Brasília, DF, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2017.
CASSIOLATO, M. M. M. C. Modelo lógico e a teoria do programa: uma proposta para organizar avaliação. Desafios do Desenvolvimento, Brasília, DF, v. 7, n. 63, p. 1, 2010.
CIRANI, C. B. S.; CAMPANARIO, M. A.; SILVA, H. H. M. A evolução do ensino de pós-graduação senso estrito no Brasil: análise exploratória e proposições para pesquisa. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, Campinas, v. 20, n. 1, p. 163-187, 2015.
FERREIRA, H.; CASSIOLATO, M.; GONZALEZ, R. Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do Programa Segundo Tempo. Brasília, DF: Ipea, 2009. (Texto para discussão nº 1.369). Disponível em: . Acesso em: 7 jun. 2017.
FISCHER, T. et al. Simultaneamente Interdisciplinar e profissional: desafios do Programa de Desenvolvimento e Gestão Social da UFBA. In: PHILIPPI JUNIOR, A.; SILVA NETO, A. J. (Ed.). Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri: Manole, 2011. p. 607-628.
KHANDKER, S. R.; KOOLWAL, H. A.; SAMAD, H. A. Handbook on impact evaluation: quantitative methods and practices. Washington, DC: The World Bank, 2010.
KLEIN, K. J.; KOZLOWSKI, S. W. J. Multilevel theory, research and methods in organizations: foundations, extensions and new directions. San Francisco: Jossey-Bass, 2000.
KNIJNIK, J.; TAVARES, O. Educating Copacabana: a critical analysis of the “Second Half”, an Olympic education program of Rio 2016. Educational Review, Abingdon, v. 64, n. 3, p. 353-368, 2012.
KNOWLTON, L. W.; PHILLIPS, C. C. The Logic Model Guidebook: better strategies for great results. Thousand Oaks: Sage, 2009.
LOIZOS, P. Vídeos, filme e fotografias como documentos de pesquisa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 137-155.
MCLAUGHLIN, J. A.; JORDAN, G. Using logic models. In: WHOLEY, J. S.; HATRY, H. P.; NEWCOMER, K. E. Handbook of practical program evaluation. San Francisco: Jossey-Bass, 2010. p. 55-80.
MOURÃO, L.; LAROS, J. A. Avaliação de programas sociais: comparando estratégias de análise de dados. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, DF, v. 24, n. 4, p. 545-558, 2008.
NEPOMUCENO, L. D.; COSTA, H. G.; SHIMODA, E. Impacto do mestrado profissional no desempenho dos seus egressos: intercomparação entre as percepções de discentes, docentes, coordenadores e empresa. Gestão & Produção, São Carlos, v. 17, n. 4, p. 817-828, 2010.
NEVES, R. B.; COSTA, H. G. Avaliação de programas de pós-graduação: proposta baseada na integração ELECTRE TRI, SWOT e sistema Capes. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão, Niterói, v. 1, n. 3, p. 276-298, 2006.
OWSTON, R. Models and methods for evaluation. In: SPECTOR, M. et al. Handbook of research on educational communications and technology. 3rd ed. Abingdon: Routledge, 2008. p. 605-618.
PAIXÃO, R. B. Avaliação de impacto de mestrados profissionais: contribuições a partir da multidimensionalidade e da negociação. 2012. 325 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.
RIBEIRO, N. M.; VINHAES, L. Ficha de Avaliação de MP: reflexões e propostas. Semana Pedagógica do Mestrado de Desenvolvimento e Gestão Social, Salvador, 2012.
ROGERS, P. J. Using programme theory to evaluate complicated and complex aspects of interventions. Evaluation, Thousand Oaks, v. 14, n. 1, p. 29-48, 2008.
SOUSA, E. S. et al. Sistema de monitoramento & avaliação dos programas Esporte e Lazer da Cidade e Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Belo Horizonte: O Lutador, 2010.
SOUZA, D. B. L. Avaliação do impacto de Mestrado Profissional Multidisciplinar em Desenvolvimento e Gestão Social. 2013. 381 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013.
WORTHEN, B. R.; SANDERS, J. R.; FITZPATRICK, J. L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Gente, 2004.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SOUZA, D. B. L. DE; ABBAD, G. DA S.; GONDIM, S. M. G. Modelos lógicos na avaliação de um mestrado profissional: um exemplo de aplicação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 14, 20 nov. 2017.

Seção

Experiências

Publicado:

Nov 20, 2017
Palavras-chave:

Avaliação de Programas. Modelos Lógicos. Mestrados Profissionais.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.