A equipe interdisciplinar no contexto hospitalar

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

A interdisciplinaridade tem sido um tema central na área da saúde. O desafio que ela propõe é a aplicabilidade do saber interdisciplinar nas práticas de saúde. O presente artigo discute a interdisciplinaridade no contexto da saúde e tem como objetivo analisar, a partir de uma revisão narrativa, o trabalho interdisciplinar de equipes de saúde no contexto hospitalar. Os resultados evidenciaram dificuldades para que o trabalho em equipe se efetive, uma vez que a dinâmica das práticas de saúde no hospital atualmente ainda privilegia a especialização e o saber uni profissional. A reformulação da formação nas instituições de ensino é uma aposta promissora para a construção do trabalho em equipe sustentado pela perspectiva interdisciplinar.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Nathália Lopes Fundação Oswaldo Cruz
  • Valéria Lagrange Fundação Oswaldo Cruz
  • Margarete Tavares Fundação Oswaldo Cruz
Biografia
Nathália Lopes, Fundação Oswaldo Cruz
Mestranda em Educação Profissional em Saúde (EPSJV/Fiocruz). Especialista em Psicologia Hospitalar na Área da Infectologia (INI/Fiocruz). Graduada em Psicologia pela Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO). Tem experiência em Psicologia Hospitalar, Psicologia Clínica e em Pesquisas através de Iniciação Científica e em participação em projeto de pesquisa na UFRJ.
Débora Silva, Instituto Nacional do Câncer (INCA)
Atua como enfermeira especialista em Oncologia ha 12 anos. Desde 2015, trabalha especificamente com pediatria oncológica, atuando em enfermaria de pre e pós operatório, bem como enfermagem clinica e cuidados paliativos a crianças e adolescentes hematopediatricos. Tem ainda, experiencia em ambulatório de quimioterapia e atendimento ao mulheres com câncer ginecológico. Aluna do Doutorado no Curso de Epidemiologia e Saúde Publica (ENSP/Fiocruz). Mestre em Ciências pelo programa de Saúde Pública e Meio Ambiente (ENSP/Fiocruz). Possui Graduação em Enfermagem e Licenciatura pela Universidade Federal Fluminense(2007), pós-graduação em Enfermagem em promoção da saúde pela Universidade Federal Fluminense(2007), Residência em enfermagem em Oncologia pelo INCA/MS(2009) e Pós-graduação em Pesquisa Clínica pelo Serviço de Pesquisa Clínica/INCA (2009). 
Valéria Lagrange, Fundação Oswaldo Cruz
Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1990) e mestrado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (1996). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde mental, gestão em saúde, recursos humanos em saúde e políticas públicas de saúde.
Margarete Tavares, Fundação Oswaldo Cruz
Possui graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1997), graduação em Educação Religiosa pelo Instituto Batista de Educação Religiosa (1993), mestrado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (2010) e doutorado em Ensino em Biociências e Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (2017). Atualmente é professor adjunto mestre da Universidade do Grande Rio e tecnologista em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Indicadores de Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: vigilancia em saúde, vigilância epidemiológica, indicadores de saúde, esporotricose e atuação do enfermeiro.
Referências

AZEVEDO, A. B et al. Formação interdisciplinar em saúde e práticas coletivas. Saúde em Debate, 41 (113) Abr-Jun, 2017.
BORTAGARAI, F. M. et al. A interconsulta como dispositivo interdisciplinar em um grupo de intervenção precoce. Distúrb Comum, 27(2): 392-400, São Paulo, 2015. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/dic/article/view/20851> Acesso em: 22 de set. de 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza-SUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília, 2004.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de saúde – 2. Ed. 5 reimp. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. (Série B. Textos Básicos de Saúde) 2010.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. – 4. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. Disponível em:< http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/humanizasus_documento_gestores_trabalhadores_sus.pdf> Acesso em: 13 de ago. de 2019
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? – 1. ed. rev. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018 Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_educacao_permanente_saude_fortalecimento.pdf> Acesso em: 12 de ago. de 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília, 2007.
BRUM, C. N.de; et al. Revisão narrativa da literatura: aspectos conceituais e metodológicos na construção do conhecimento da enfermagem. In: Metodologias da pesquisa para a enfermagem e saúde: da teoria à prática. LACERDA, M. R.; COSTENARO, R. G. S. (Orgs.). Porto Alegre: Moriá, 2016. p. 123-141
CAPRARA, A; FRANCO, A. S. A relação paciente-médico: para uma humanização da prática médica. In: Cadernos de Saúde Pública, v. 15, n. 3, p. 647-654, Rio de Janeiro, 1999.
CARDOSO, C. G; HENNINGTON, E. A. Trabalho em equipe e reuniões multiprofissionais de saúde: uma construção à espera pelos sujeitos da mudança. Trab. Educ. Saúde, v. 9, supl. 1, p. 85-112, Rio de Janeiro, 2011.
CECCIM, R.B. Conexão e fronteiras da interprofissionalidade: forma e formação. In: Interface: comunicação, saúde e educação. 22(supl.2):1739-49, 2018.
CECCIM, R. B; FEUERWERKER, L. C. M. Mudança na graduação das profissões de saúde sob o eixo da integralidade. Cad. Saúde Pública, 20(5): 1400-1410, Rio de Janeiro, 2004.
COSTA, M. V. et al. Pró-Saúde e PET-Saúde como espaços de educação interprofissional. In: Interface: comunicação, saúde e educação, v. 19 Supl I: 709-20, 2015.
FAZENDA, I.C.A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo, Papirus Editora, 1994.
FILHO, J. R. F. et al. Educação Interprofissional nas políticas de reorientação da formação profissional em saúde no Brasil. In: Saúde em Debate. V. 43, nº especial 1, p. 86-96, Rio de Janeiro, 2019.
FIORIN, P. B. G. et al. O ensino interdisciplinar na área da saúde: perspectivas para a formação e a atuação multiprofissional. In: Revista Didática Sistêmica, ISSN 1809-3108. v. 16 n. 2 pg.30-43, 2014. Disponível em: < https://periodicos.furg.br/redsis/article/view/4551> Acesso em: 02 de out. de 2019.
GALVÁN, G. B. Equipes de saúde: o desafio da integração disciplinar. Rev. SBPH, v.10, n.2, Rio de Janeiro, 2007.
GUZINSKI, C. et al. Boas práticas para comunicação efetiva: a experiência do round interdisciplinar em cirurgia ortopédica. Rev. Gaúcha Enferm. 2019.
JAPIASSÚ, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro, Imago, 1976.
LEIS, H. R. Sobre o conceito de Interdisciplinaridade. In: Cadernos de pesquisa interdisciplinar em ciências humanas. Nº 73, 1678-7730, Florianópolos, 2005.
LIMA, V. V; et al. Desafios na educação de profissionais de Saúde: uma abordagem interdisciplinar e interprofissional. In: Interface: comunicação, saúde e educação (Botucatu), vol.22 supl.2, 2018. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/icse/v22s2/1807-5762-icse-22-s2-1549.pdf> Acesso em: 03 de dez. de 2019.
MATOS, E; et al. Relações de trabalho em equipes interdisciplinares: contribuições para novas formas de organização do trabalho em saúde. In: Rev. Brasileira de Enfermagem REBEn. 63(5): 775-81. Brasília, 2010.
RIOS, D. R. S; et al. Diálogos interprofissionais e interdisciplinares na prática extensionista: o caminho para a inserção do conceito ampliado de saúde na formação acadêmica. Interface: comunicação, saúde e educação (Botucatu), vol. 23, Epub Aug/2019. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/icse/v23/1807-5762-icse-23-e180080.pdf> Acesso em: 28 de nov. de 2019.
ROCHA, E. N; LUCENA, A. F. Projeto Terapêutico Singular e Processo de Enfermagem em uma perspectiva de cuidado interdisciplinar. In: Revista Gaúcha Enferm. Vol.39, Porto Alegre, 2018. Disponível em: Acesso em: 09 de dez. de 2019.
ROJAS, F. L. L. et al. Educação permanente em saúde: o repensar sobre a construção das práticas de saúde. In: Journal Health NPEPS, 4(2):310-330. 2019. Disponível em: < https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3730/3362> Acesso em: 17 de dez. de 2019.
SANTOS, R. N. L. C. et al. Integralidade e interdisciplinaridade na formação de estudantes de medicina. In: Rev. Bras. Educ. Med. Vol. 39 no.3. Rio de Janeiro, 2015.
PASCHE, D. F. Pistas metodológicas para se avançar na humanização dos hospitais do Brasil. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cadernos HumanizaSUS: Atenção Hospitalar. Série B. Textos Básicos de Saúde. vol. 3. Brasília, 2011.
PUPPIN, M. A. P; SABÓIA, V. M. A interdisciplinaridade como estruturante no processo de formação e de cuidado em saúde. In: Rev. Enferm. UFPE, 11(Supl. 10): 4065-71. Recife, 2017.
TRINDADE, D. F. Interdisciplinaridade: um novo olhar sobre as ciências. In: O que é Interdisciplinaridade? Ivani Fazenda (org.) São Paulo, Editora Cortez, 2008.
VILELA, M. V. F. Reflexões sobre o histórico e caminhos da interdisciplinaridade na educação superior no Brasil. In: Journal Health NPEPS, 4(1): 6-15, 2019. Disponível em: < https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-999637> Acesso em: 15 de jan. de 2020.
WANDERBROOCKE, A. C. N. S. et al. O sentido de comunidade em uma equipe multiprofissional hospitalar: hierarquia, individualismo, conflito. In: Trab. Educ. Saúde, v.16 n.2, p.1.157-1.176, set/dez. 2018. Disponível em: Acesso em: 15 de jan. de 2020.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SOARES DOS SANTOS LOPES, N.; SANTOS SILVA, D.; LAGRANGE MOUTINHO DOS REIS, V.; BERNARDO TAVARES DA SILVA, M. A equipe interdisciplinar no contexto hospitalar. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 38, p. 1-20, 1 jun. 2022.

Seção

Artigos

Publicado:

Jun 1, 2022
Palavras-chave:

comunicação interdisciplinar, práticas interdisciplinares, educação interprofissional

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.