Perfil e conhecimentos profissionais docentes no programa de estágio docente em um curso de pós-graduação em Química no estado de São Paulo

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O perfil profissional do docente de nível superior é altamente complexo e compreende a mobilização de conhecimentos profissionais diversos. A literatura tem apontado aspectos que demonstram que docentes em início de carreira ainda carecem de preparo para a práxis, o que revela a importância de se investigarem os conhecimentos e identidades associados à participação destes profissionais em Programas de Estágio Docente (PED). Assim, o presente trabalho tem por objetivos compreender os perfis profissionais de pós-graduandos em um programa de pós-graduação em Química de uma universidade pública do estado de São Paulo e reconhecer as percepções destes sujeitos a respeito do PED desta instituição, reconhecendo também as dificuldades apontadas e a compreensão da atuação do professor supervisor. Para tal, construíram-se dois recortes de dados constituídos, respectivamente, por 72 e 34 discentes, cada um submetido a um questionário distinto, sendo o primeiro um questionário de perfil acessado por estatística descritiva, e o segundo um questionário de percepções acessado por Análise Textual Discursiva (ATD). As análises apontam pouca formação didático-pedagógica formal dos pós-graduandos, indicando um possível perfil de pouco preparo para a docência no nível superior de Química.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Guilherme Gonçalves Costa
  • Gildo Girotto Júnior
Biografia
Referências

ALMEIDA, M. I.; PIMENTA, S. G. Pedagogia universitária – valorizando o ensino e a docência na universidade. Revista Portuguesa de Educação, v. 27, n. 2, p. 7-31, 2014.

ALVES, L. R. et al. Reflexões sobre a formação docente na pós-graduação. Escola Anna Nery, v. 23, n. 3, p. 1-7, 2019.

ARROIO, A.; RODRIGUES FILHO, U.; SILVA, A. B. F. A formação do pós-graduando em Química para a docência em nível superior. Química Nova, v. 29, n. 6, p. 1387-1392, 2006.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em: 29 jan. 2021.

CUNHA, E. R. Os saberes docentes ou saberes dos professores. Revista Cocar, v. 1, n. 2, p. 31-39, 2007.

DIAS SOBRINHO, J. Democratização, qualidade e crise da educação superior: faces da exclusão e limites da inclusão. Educação e Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1223-1245, 2010.

GIROTTO JÚNIOR, G.; DE PAULA, M. A.; MATAZO, D. R. C. Análise do conhecimento sobre estratégias de ensino de futuros professores de química: vivência como aluno e reflexão como professor. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias, v. 14, n. 1, p. 35-50, 2018.

GONÇALVES, F. B.; BIAGINI, B.; GUAITA, R. I. As transformações e as permanências de conhecimentos sobre atividades experimentais em um contexto de formação inicial de professores de química. Investigações em Ensino de Ciências, v. 24, n. 3, p. 101-120, 2019.

JOAQUIM N. F.; BOAS, A. A. V.; CARRIERI, A. P. Estágio docente: formação profissional, preparação para o ensino ou docência em caráter precário? Educação e Pesquisa, v. 39, n. 2, p. 351-365, 2013.

LEITE, S. A. S. et al. O desenvolvimento da docência universitária na Unicamp: o papel do Espaço de Apoio ao Ensino e Aprendizagem. In: SPAZZIANI, M. L. (Org.). Profissão de professor: cenários, tensões e perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2016. p. 197-219.

MARCELO GARCÍA, C. O professor iniciante, a prática pedagógica e o sentido da experiência. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, Belo Horizonte, v. 3, n. 3, p. 11-49, 2010.

MATEUS, P. G.; FERREIRA, L. H. Investigação da aprendizagem significativa do conceito de equilíbrio químico por meio de modelos mentais expressos por licenciandos em Química. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 20, n. 1, p. 73-98, 2021.

MAXIMIANO, F. A. Princípios para o currículo de um curso de Química. Estudos Avançados, v. 32, n. 94, p. 225-245, 2018.

MEDEIROS, A. M. S. Docência no ensino superior: dilemas contemporâneos. Revista Entreideias, n. 12, p. 71-87, 2007.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 3. ed. rev. e aum. Ijuí: Editora Unijuí, 2016.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, v. 22, n. 2, p. 72-89, 1996.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2004.

QUADROS, A. L. et al. Percepção dos pós-graduandos em Química da Universidade Federal de Minas Gerais sobre a própria formação docente. Química Nova, v. 34, n. 5, p. 893-898, 2011.

QUADROS, A. L.; MORTIMER, E. F. Aulas no Ensino Superior: estratégias que envolvem os estudantes. Curitiba: Appris, 2018.

RIBEIRO, M. E. M.; RAMOS, M. G. A contribuição da análise textual discursiva para compreender o PIBID como comunidade de prática. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 8, n. 19, p. 919-947, 2020.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 94-103, 2007.

SCHÖN, D. A. The reflective practitioner: how professionals think in action. New York: Jossey Bass, 1983.

SCHUNK, D. H.; RICE, J. M. Enhancing comprehension skill and self-efficacy with strategy value information. Journal of Reading Behavior, v. 9, n. 3, p. 285-302, 1987.

SHULMAN, L. S. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-23, 1987.

SILVA, V. L. R.; CUNHA, M. I. Formação e desenvolvimento profissional docente: desafios para o contexto inicial da docência universitária. In: WIEBUSCH, E. M.; VITÓRIA, M. I. C. (Orgs.). Estreantes no ofício de ensinar na educação superior. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2018. p. 43-62.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. (2005). Portaria GR Nº 3588, de 10 de maio de 2005. Regulamenta o Programa de Aperfeiçoamento de Ensino – PAE. Disponível em: http://www.leginf.usp.br/?portaria=portaria-gr-no-3588-de-10-de-maio-de-2005 Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. (2020). Apresentação – Grupo de Apoio Pedagógico. Disponível em: http://www5.each.usp.br/apresentacao-grupo-de-apoio-pedagogico/ Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. (2018a). Resolução GR-048/2018, de 19 de dezembro de 2018. Altera a redação da Resolução GR-019/2014, de 27/05/2014, que reestrutura o Programa de Estágio Docente. Disponível em: https://www.pg.unicamp.br/mostra_norma.php?id_norma=14403 Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Química. (2018b). Procedimentos de PEDs no ensino. Disponível em: https://iqm.unicamp.br/sites/default/files/Proced.%20PEDs%20-%20Lab.%20Ensino%202018.pdf Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Instituto de Química. (2019). Programa de Estágio Docente – PED: Projeto de participação do Instituto de Química no PED. Disponível em: https://iqm.unicamp.br/sites/default/files/Projeto%20PED%20Enviado%20%C3%A0%20PRPG-1.pdf Acesso em: 29 jan. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Pró-Reitoria de Graduação. (2020). About. Disponível em: https://www.ea2.unicamp.br/about/ Acesso em: 20 mar. 2020.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”. (1997). Resolução UNESP Nº 04, de 22 de janeiro de 1997. Regulamenta os estágios de docência de alunos de Pós-Graduação nos cursos de Graduação da Unesp. Disponível em: https://sistemas.unesp.br/legislacao-web/ Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUITA FILHO”. (2018). Resolução UNESP Nº 18, de 29 de março de 2018. Dispõe sobre o Programa de Aperfeiçoamento e Apoio à Docência no Ensino Superior - PAADES, da Universidade Estadual Paulista " Júlio de Mesquita Filho"- UNESP, o qual se destina à formação de Pós-graduandos para a atividade docente na graduação. Disponível em: https://sistemas.unesp.br/legislacao-web/ Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. (1997). Portaria GR. Nº 312/97, de 03 de outubro de 1997. Dispõe sobre a instituição do Programa de Estágio Supervisionado de Capacitação Docente - PESCD. Disponível em: http://www.ppgeciv.ufscar.br/images/arquivos/05bPortaria_312_97_PESCD.pdf Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. (2017). Regulamento do Programa de Aperfeiçoamento Didático (PAD) - UNIFESP, de 30 de outubro de 2017. Dispõe sobre a regulamentação do Programa de Aperfeiçoamento Didático da Unifesp. Disponível em: https://www.unifesp.br/reitoria/prograd/pro-reitoria-de-graduacao/informacoes-institucionais/todos-os-arquivos/category/51-pad?download=754:regulamento-pad Acesso em: 21 jan. 2021.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. (2016). Resolução CONSEPE Nº 213, de 24 de novembro de 2016. Regulamenta o Programa de Assistência ao Ensino da UFABC. Disponível em: http://propg.ufabc.edu.br/wp-content/uploads/Res-Consepe-PrAE.pdf Acesso em: 21 jan. 2021.

VASCONCELLOS, M.M.M.; SORDI, M. R. L. Formar professores universitários: tarefa (im)possível? Interface (Botucatu)., v. 20, n. 57, p. 403-414, 2016.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

GONÇALVES COSTA, G.; GIROTTO JÚNIOR, G. Perfil e conhecimentos profissionais docentes no programa de estágio docente em um curso de pós-graduação em Química no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 38, p. 1-21, 1 jun. 2022.

Seção

Artigos

Publicado:

Jun 1, 2022
Palavras-chave:

Conhecimento docente, Identidade docente, Formação continuada

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.