Trajetórias de mulheres mestras do CEFET-MG em áreas de humanas e de tecnologia

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

As mulheres vêm conquistando mais espaço no mercado e na academia, porém as relações desenvolvidas nessas esferas continuam sendo marcadas por sexismo e estereótipos. Diante desse cenário, esta pesquisa objetivou, no plano geral, compreender a divisão sexual do trabalho e, mais especificamente, desvelar as dificuldades, o sexismo, os estereótipos e os marcadores de gênero nas escolhas realizadas por mulheres que concluíram mestrado pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), no período de 2005 a 2016, bem como as estratégias de resistência desenvolvidas pelas egressas. Utilizou-se, então, uma metodologia de abordagem qualitativa, mediante pesquisa bibliográfica, levantamento de currículos Lattes e entrevista semiestruturada, cujas respostas foram analisadas em exegese fundamentada na revisão da literatura. Os achados sugerem que as trajetórias das mulheres foram marcadas por dificuldades e estratégias de resistências, de forma que alcançaram elevada ascensão nas suas carreiras devido à dedicação com vistas a obter maior qualificação profissional, vencendo preconceitos e dificuldades para estudar, em função de tripla jornada de trabalho, tarefas domésticas, cuidados com os filhos e a família e realização dos estudos. Conclui-se que a pesquisa corrobora estudos anteriores sobre a permanente clivagem entre os sexos nas áreas de conhecimento e de trabalho consideradas Humanas e sociais e outras de caráter científico e tecnológico, à luz dos princípios norteadores da divisão sexual do trabalho, segundo os quais existem trabalhos destinados às mulheres e trabalhos destinados aos homens e que o trabalho do homem tem um valor social e econômico maior do que o da mulher.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Camila Guimarães a:1:{s:5:"pt_BR";s:31:"Universidade Federal Fluminense";}
Biografia
Referências

ALVES, A. E. S. Divisão sexual do trabalho: a separação da produção do espaço reprodutivo da família. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 271-289, maio/ago., 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRASIL. Presidência da República Decreto n° 5.224, de 01 de outubro de 2004. Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-¬‐2006/2004/decreto/d5224.htm. Acesso em: 11 ago. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior 2016 - Notas estatísticas. Brasília: Inep, 2016. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2016.pdf. Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Séries estatísticas & séries históricas. Disponível em: http://seriesestatisticas.ibge.gov.br. Acesso em: 10 abr. 2018.

GUIRALDELLI, R. Adeus à divisão sexual do trabalho? Desigualdade de gênero na cadeia produtiva da confecção. Sociedade e Estado, v. 27, n. 3, p. 709-732, 2012.

HIRATA, H.; KÉRGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, [S.l.], v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

HIRATA, H.; KÉRGOAT, D. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, São Paulo, v. 17, n. 18, p. 139-156, 2001-2002.

KOSIK, K. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LIMA, B. S. O labirinto de cristal: as trajetórias das cientistas na Física. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, set./dez., p. 883-903, 2013.

LIMA, B. S. Políticas de equidade em gênero e ciências no Brasil: avanços e desafios. 2017. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/983803. Acesso em: 23 nov. 2022.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento. 10. ed. São Paulo: HUCITEC, 2007.

MOLJO, C. B. La historia oral y su relación con el trabajo social. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, v. 63, ano XXI, p. 95-119, jul., 2000.

MURARO, R. M. A mulher no terceiro milênio: uma história da mulher através dos tempos e suas perspectivas para o futuro (1932). 8. ed. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 2002.

OLINTO, G. Human resources in science and technology indicators: longitudinal evidence from Brazil. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON SCIENTOMETRICS AND INFORMETRICS, 12., 2009, Rio de Janeiro. Proceedings […]. Rio de Janeiro: ISSI, 2009.

OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez., 2011.

RABELO, A. O.; MARTINS, A. M. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do Magistério. In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 4., 2010, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: Aveiro: FCT, 2010. p. 6167-6176. Disponível em: http://www.faced.ufu.br/colubhe06/anais/arquivos/556AmandaO.Rabelo.pdf. Acesso em: 6 ago. 2018.

ROSA, M. A. G.; QUIRINO, R. G. Relações de gênero na Ciência e Tecnologia (C&T): estudo de caso de um Centro Federal de Educação Tecnológica. Diversidade e Educação, v. 4, n. 8, p. 42-55, 2016.

STOCKDALE, M.S.; LEONG, F.T.L. Barriers to women in management careers: confirmatory factor analysis of the women as managers scale. Journal of Career Assessment, v. 2, n. 1, p. 70-81, 1994.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

GUIMARÃES, C. Trajetórias de mulheres mestras do CEFET-MG em áreas de humanas e de tecnologia. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–34, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.2002. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/2002. Acesso em: 23 maio. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

set. 13, 2023
Palavras-chave:

Educação, Computação, Trajetórias das mulheres, Divisão Sexual do Trabalho

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.