10 Anos do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da Universidade Federal do Paraná um perfil das suas produções e de seus egressos

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

A presente pesquisa, de natureza qualitativa do tipo documental, busca desvelar o perfil das dissertações e analisar a trajetória acadêmica e profissional dos egressos do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da Universidade Federal do Paraná. Os dados foram analisados a partir da Análise de Conteúdo, sistematizados em sete categorias: a) Quantidade de defesas por ano e área de concentração; b) Conteúdo das dissertações; c) Graduação e Instituição de Ensino Superior dos egressos; d) Formação complementar dos egressos; e) Quantidade de doutores, área de titulação e IES; f) Quantidade de doutorandos, área de titulação e IES; e g) Atuação profissional dos egressos. Os resultados mostram que o número de mestres formados em Educação em Matemática e em Educação em Ciências têm mantido um certo equilíbrio desde 2018, onde, até 2017 havia prevalência da linha correspondente à Matemática. Grande parte das dissertações estão focadas no Ensino Fundamental e têm como temas principais: Ciência, Tecnologia e Sociedade, Ciência e Arte, Avaliação, Educação Matemática e Jogos. A maior parcela dos egressos é licenciado em Matemática. Em suma, eles atuam como professores da Educação Básica na região Sul do país. Ressalta-se que apenas 28,5% dos mestres, estão, atualmente no Doutorado e 6,3% já são doutores. Por fim, sublinha-se a importância desse tipo de pesquisa, pois, acredita-se que analisar as produções e as trajetórias dos egressos pode fomentar ações no âmbito dos próprios programas e na área de Educação em Ciências e em Matemática.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores Biografia
Camila Silveira, UFPR
Professora do Departamento de Química, do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática e do Programa de Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional da Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Curitiba – PR.
Aline Kundlatsch, UFPR
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Curitiba – PR.
Cláudia Celeste Schuindt, UFPR
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Curitiba – PR.
Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2016.

BARRA, V. M.; LORENZ, K. M. Produção de materiais didáticos de ciências no Brasil, período de 1950 a 1980. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 38, n. 12, p. 1970-1983, dez. 1986. Disponível em: http://fep.if.usp.br/~profis/arquivo/projetos/artigos/LORENTZ_1986.pdf. Acesso em: 20 dez. 2020.

BEJARANO, N. R. R.; CARVALHO, A. M. P. A educação química no Brasil: uma visão através das pesquisas e publicações da área. Educación Química, Coyoacán, v. 11, n. 1, p. 160-167, 2000. Disponível em: http://www.revistas.unam.mx/index.php/req/article/view/66475/58358. Acesso em 20 dez. 2020.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 175, 11 ago. 1971. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5692.htm. Acesso em: 19 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 1996. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020. Coordenação de Pessoal de Nível Superior, Brasília, DF: CAPES, 2010. Disponível em: http://www1.capes.gov.br/images/stories/download/PNPG_Miolo_V2.pdf. Acesso em: 25 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior. Diretoria de Avaliação. Documento de Área: Ensino. Brasília, DF: CAPES, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/ENSINO.pdf. Acesso em: 07 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível
Superior. Diretoria de Avaliação. Documento de Área: Ensino. Brasília, DF: CAPES, 2016. Disponível em: http://www.exatas.ufpr.br/portal/ppgecm/wp-content/uploads/sites/27/2017/03/DOCUMENTO_DE_AREA_ENSINO-2016-pos-CTC4.pdf. Acesso em: 04 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, DF: Secretaria de Educação Especial, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf. Acesso em: 03 dez. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 3º ciclo de monitoramento das metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/6975249/Relat%C3%B3rio+do+3%C2%BA+Ciclo+de+Monitoramento+das+Metas+do+Plano+Nacional+de+Educa%C3%A7%C3%A3o/4259eed4-ce87-46c7-b5bb-a9e09dee5abb?version=1.0. Acesso em: 04 dez. 2020.

CALADO, S. dos S.; FERREIRA, S. C. dos R. Análise de documentos: método de recolha e análise de dados. Metodologia da Investigação, Lisboa, p. 1-13, 2004. Disponível em: http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/ichagas/mi1/analisedocumentos.pdf. Acesso em: 23 ago. 2020.

CAPES. Plataforma Sucupira. Cursos avaliados e reconhecidos. 2020. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/. Acesso: 10 out. 2020.

CAPES. Plataforma Sucupira. Renovação de Conhecimento. 2013. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/viewPrograma.jsf?popup=true&id_programa=204263. Acesso em: 02 ago. 2020.

CAPES. Plataforma Sucupira. Renovação de Conhecimento. 2017. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/viewPrograma.jsf?popup=true&id. Acesso em: 02 ago. 2020.

DELIZOICOV, D. Pesquisa em ensino de ciências como ciências humanas aplicadas. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 145-175, 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6430/5946. Acesso em: 19 nov. 2020.

FERES, G. G. A Pós-Graduação em Ensino de Ciências no Brasil: uma leitura a partir da teoria de Bourdieu. 2010. 337 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2006. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/102050/feres_gg_dr_bauru.pdf?sequence=1&isAllow. Acesso em: 19 nov. 2020.

FIORENTINI, D. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em cursos de pós-graduação. 1994. 301 p. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/253750. Acesso em: 19 nov. 2020.

FRANCISCO, C. A.; ALEXANDRINO, D. M.; QUEIROZ, S. L. Análise de dissertações e teses sobre o ensino de química no brasil: produção científica de programas de pós-graduação em destaque. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 21-60, 2015. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/21/6. Acesso em: 19 nov. 2020.

GARCIA, P. S. A formação de professores de ciências na legislação educacional brasileira. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 6., 2007, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: ABRAPEC, 2007. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/autores0.html. Acesso em: 18 nov. 2020.

GARCIA, R. M. C.; MICHELS, M. H. A política de Educação Especial no Brasil (1991-2011): uma análise da produção do GT15 – Educação Especial da ANPED. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 17, n. edição especial, p. 105-124, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v17nspe1/09.pdf. Acesso em: 04 dez. 2020.

KRASILCHIK, M. A. O professor e o currículo das Ciências. São Paulo: EPU, 1987.

MARCHELLI, P. S. Formação de doutores no Brasil e no mundo: algumas comparações. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, v. 2, n. 3, p. 7-29, mar. 2005. Disponível em: https://doi.org/10.21713/2358-2332.2005.v2.56. Acesso em: 16 nov. 2020.

MEGID NETO, J. Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental. 1999. 365 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/252565. Acesso em: 19 nov. 2020.

MELO, M. V. Três décadas de pesquisa em Educação Matemática na Unicamp: um estudo histórico a partir de teses e dissertações. 2006. 288 p. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/253783?mode=full. Acesso em: 19 nov. 2020.

MOREIRA, M. A. A área de ensino de ciências e matemática na CAPES: panorama 2001/2002 e critérios de qualidade. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 36- 59, 2002. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4149. Acesso em: 19 nov. 2020.

MOREIRA, M. A. Ensino de Física no Brasil: retrospectiva e perspectivas. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 94-99, 2000. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/v22a13.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

NARDI, R. A área de ensino de Ciências no Brasil: fatores que determinaram sua constituição e suas características, segundo pesquisadores brasileiros. 2005. 169 p. Tese (Livre Docência) - Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2005.

NARDI, R. Memórias do Ensino de Ciências no Brasil: a constituição da área segundo pesquisadores brasileiros, origens e avanços da pós-graduação. RevIU, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 13-46, 2014. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/135432. Acesso em: 19 nov. 2020.

RAMOS, C. R; SILVA, J. A. A emergência da área de Ensino de Ciências e Matemática da CAPES enquanto comunidade científica: um estudo documental. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 363-380, 2014. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/84. Acesso em: 19 nov. 2020.

SALEM, S. Perfil, Evolução e Perspectivas da Pesquisa em Ensino de Física no Brasil. 2012. 385 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências) – Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/81/81131/tde-13082012-110821/publico/Sonia_Salem.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

SEEFELD, V.; CLEMENTE A.; VAZ P. V. C.; ESPEJO M. M. dos S. B. O que eles produzem? Mapeamento do perfil das Dissertações defendidas no Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da UFPR. Revista Contabilidade e Controladoria, Curitiba, v. 9, n. 3, p. 73-88, dez. 2017. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/rcc/article/view/51134/34505. Acesso em: 18 nov. 2020.

SILVA, L. R. C.; DAMACENO, A. D.; MARTINS, M. da C. R.; SOBRAL, K. M.; FARIAS, I. M. S. de. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 9., 2009, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PUC, 2009, p. 4554-4566. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2009/3124_1712.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

SLONGO, I. I. P. A produção acadêmica em Ensino de Biologia: um estudo a partir de teses e dissertações. 2004. 349 f. Tese (Doutorado em Educação) - Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/88012. Acesso em: 19 nov. 2020.

TEIXEIRA, P. M. M.; MEGID NETO, J. A Produção Acadêmica em Ensino de Biologia no Brasil – 40 anos (1972–2011): Base Institucional e Tendências Temáticas e Metodológicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. 2, p. 521-549, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4519. Acesso em: 19 nov. 2020.

TEIXEIRA, P. M. M. Pesquisa em Ensino de Biologia no Brasil [1972-2004]: um estudo baseado em dissertações e teses. 2008. 406 p. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/251678/1/Teixeira_PauloMarceloMarini_D.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

VILLANI, A. Considerações sobre a pesquisa em ensino de ciência: a interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 3, n. 3, p. 68-88, 1981. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/vol03a28.pdf. Acesso em: 19 nov. 2020.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SILVEIRA, C.; KUNDLATSCH, A.; CELESTE SCHUINDT, C. 10 Anos do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática da Universidade Federal do Paraná. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 17, n. 38, p. 1-35, 1 jun. 2022.

Seção

Artigos

Publicado:

Jun 1, 2022
Palavras-chave:

Pós-Graduação, Educação em Ciências, Educação Matemática

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:

  • Detêm os direitos autorais sobre a obra e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Licença Creative Commons Attribution  que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
  • Possuem autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista, com reconhecimento de autoria e de publicação inicial nesta revista.
  • Têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho on-line (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), desde que citada sua publicação inicial nesta revista, uma vez que isso pode gerar alterações.

Além disso, os autores declaram que:

  • Todas as afirmações contidas no manuscrito são fatos, são verdadeiras ou baseadas em pesquisa empírica ou científica.
  • O uso de qualquer marca registrada ou direito autoral dentro do manuscrito foi creditado a seu proprietário ou a permissão para usar o nome foi concedida.