O tema gênero e as autoras no campo editorial das Ciências Sociais no Brasil um breve estudo sobre revistas A1 nos últimos 30 anos

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O presente artigo realiza um estudo exploratório e descritivo sobre a presença de autoras e do tema gênero no campo editorial das Ciências Sociais no país, a partir da análise comparativa entre periódicos com Qualis A1, abrangendo Sociologia, Antropologia, Ciências Políticas e áreas afins, inseridos na plataforma SciELO, com mais de trinta anos de publicação contínua. Ancora-se pela busca da frequência e distribuição de autoras como únicas e primeiras assinantes dos seus artigos, bem como pela frequência do tema gênero, em caráter estrutural para a compreensão da realidade social, no decorrer de seus perfis de publicação. Em particular, centra-se na revista Sociedade e Estado, com o intuito de mostrar como a expressiva contribuição feminina nos critérios observados, inclusive por meio do número majoritário de editoras mulheres à sua frente, contribuiu para a presença feminina na autoria de artigos e para o debate e o aprofundamento de gênero no panorama teórico-conceitual da área, impactando juntamente com as demais revistas na formação docente, acadêmica e a agenda de pesquisa na pós-graduação brasileira.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Tânia Mara Campos de Almeida
Biografia
Emerson Ferreira Rocha, Universidade de Brasília

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2008), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2010) e doutorado em Sociologia pela Universidade de Brasília (2015), tendo atuado como pesquisador visitante na University of Illinois at Urbana-Champaign. Atual também como pesquisadro visitante no Instituto de Pesquisa Econômia Aplicada e integra o grupo de pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília e membro colaborador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da mesma universidade.

Referências

AGUIAR, N. Patriarcado, sociedade e patrimonialismo. Sociedade e Estado, v. 15, n. 2, jun./dez., 2000.

ALBORNOZ-ARIAS, N., RUSCHEINSKY, A., MAZUERA-ARIAS, R.; ORTIZ, F. Conflictos en la frontera, los derechos y las políticas de un pacto social. Sociedade e Estado, v. 34, n. 2, maio/ago., p. 403-428, 2019.

ALMEIDA, T. M. C.; ZANELLO, V. (orgs). Panoramas da violência contra mulheres nas universidades brasileiras e latinoamericanas. Brasília: OAB Editora, 2022.

AWA, A. K. Grim perspectives for Brazilian periodicals. An Acad Bras Cienc 93, 1 (editorial), 2021.

BIZZO, M. L. G. Difusão científica, comunicação e saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, (1), jan./fev., p. 307-314, 2002.

CANDIDO, M. R. e CAMPOS, L. A. Pandemia reduz submissões de artigos acadêmicos assinados por mulheres, Blog Dados, 14 de maio, 2020. Disponível em: http://dados.iesp.uerj.br/pandemia-reduz-submissoes-de-mulheres/. Acesso em: 15 de janeiro de 2023.

CAMPOS, L. A e CANDIDO, M. R. Transparência em dados: submissões, pareceristas e diversidade no fluxo editorial dos últimos anos. Dados, v. 65, n. 1, p. 13-28, 2022.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). No Brasil, mulheres são maioria nos cursos de pós-graduação. Portal do MEC, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/212-educacao-superior-1690610854/45981-no-brasil-mulheres-sao-maioria-nos-cursos-de-pos-graduacao. Acesso em: 23 jun. 2023.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Pós-graduação brasileira tem maioria feminina. 2022. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/assuntos/noticias/pos-graduacao-brasileira-tem-maioria-feminina. Acessado em: 15 jan. 2023.

CAPONI, S. Covid-19 no Brasil: entre o negacionismo e a razão neoliberal. Pandemia pela Covid-19. Estudos Avançados; v. 34, n. 99, p. 209-223; 2020.

COLLARES, A. C.; TAVOLARO, S.; ALMEIDA, T. M. C. Sociedade e Estado (S&E): trinta anos de produção científica e pioneirismo na difusão do conhecimento em sociologia no Brasil. Sociedade e Estado, v. 31, n. Especial Sociedade e Estado 30 anos - 1986-2016, p. 939-952, 2016.

COLLINS, P. H. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-127, jan./abr., 2016.

CUNHA, R., DIMENSTEIN, M.; DANTAS, C. Desigualdades de gênero por área de conhecimento na ciência brasileira: panorama das bolsistas PQ/CNPq. Saúde debate, 45 (spe1). p. 83-97; 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042021E107. Acesso em: 28 jan. 2023.

DAVID, M. L. et al. A sociologia da ciência e da tecnologia no Brasil: uma análise a partir da produção em periódicos A1 entre 2010 e 2018. Sociedade e Estado, v. 37, n. 1, p. 217-244, 2022.

DOLAN, K.; LAWLESS, J. It takes a submission: gendered patterns in the pages of AJPS, Blog AJPS, 20 April 2020. Disponível em: https://ajps.org/2020/04/20/it-takes-a-submission-gendered-patterns-in-the-pages-of-ajps/. Acesso em: 28 jan. 2023.

DURHAM, E. R. As universidades públicas e a pesquisa no Brasil. 1998. Disponível em: https://sites.usp.br/nupps/wp-content/uploads/sites/762/2020/12/dt9809.pdf. Acesso em: 23 jun. 2023.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (Fapesp). Revista Pesquisa. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/titulos-de-doutorado-no-brasil-participacao-feminina/. Acesso em: 28 jan. 2023.

GODOI, F. S. Indicadores de gênero no periódico Scientometrics (1981-2017). 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência, Tecnologia e Sociedade) – Universidade Federal de Santa Catarina, São Carlos, 2018.

KIRJNER, D. A. P. Entre gênero e espécie: à margem teóricas das Ciências Sociais e do feminismo. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

KÜCHEMANN, B. A. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado, v. 27, n. 1, jan./abr., 2012.

MARCELO, J. F.; HAYASHI, M. C. P. I. Estudo bibliométrico sobre a produção científica no campo da sociologia da ciência. Informação & Informação; v. 18, n. 3, p. 138-153, 2013.

MUELLER, S. P. M. O círculo vicioso que prende os periódicos nacionais. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, dez., 1999. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/985. Acesso em: 25 abril. 2022.

PINHO, A. Mulheres negras são hoje maior grupo nas universidades públicas do país. Folha de São Paulo, 2021. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2021/08/mulheres-negras-sao-hoje-maior-grupo-nas-universidades-publicas-do-pais.shtml#:~:text=Avan%C3%A7o%20ocorreu%20junto%20com%20a%C3%A7%C3%B5es,negros%20ajuda%20a%20explicar%20fen%C3%B4meno&text=Discriminadas%20no%20mercado%20de%20trabalho,superior%20p%C3%BAblicas%2C%20mostram%20levantamentos%20recentes. Acesso em: 23 jun. 2023.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS. Ensino superior impulsiona conquistas femininas no mundo do trabalho. G1, 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/go/goias/especial-publicitario/puc-goias/guia-do-ensino-superior/noticia/2022/10/19/ensino-superior-impulsiona-conquistas-femininas-no-mundo-do-trabalho.ghtml. Acesso em: 28 jan. 2023.

PORTO, C. M., (org.). Difusão e cultura científica: alguns recortes. Salvador: EDUFBA, 2009.

ROMERO, T. I. Sociología y política del feminicidio: algunas claves interpretativas a partir de caso mexicano. Sociedade e Estado, v. 29, n. 2, p. 373-400, 2014.

ROSEMBERG, F. Caminhos cruzados: educação e gênero na produção acadêmica. Educação e Pesquisa. v. 27, n. 1, p. 47-68, 2001.

ROSSITER, M. W. The Matthew Matilda effect in science. Soc Stud Sci, London, v. 23, n. 2, p. 325-341, 1993.

SANTOS, S. M.; NORONHA, D. P. Periódicos brasileiros de Ciências Sociais e Humanidades indexados na base SciELO: características formais. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 18, n. 2, p. 2-16, abr./jun., 2013.

SAVIANI, D. A expansão do ensino superior no Brasil: mudanças e continuidades. Poíesis Pedagógica, v. 8, n. 2, ago./dez., p. 4-17, 2010.

SCHERER-WARREN, I., Das mobilizações às redes de movimentos sociais. Sociedade e Estado, v. 21, n. 1, jan./abr., 2006.

VIEIRA, N. S.; ALMEIDA, T. M. C. Reescrevendo histórias e inscrevendo-se no território acadêmico: as indígenas mulheres frente à violência nas universidades brasileiras. In: ALMEIDA, T. M. C. de; ZANELLO, V. (orgs.). Panoramas da violência contra mulheres nas universidades brasileiras e latinoamericanas. Brasília: OAB Editora, 2022. p. 221-258.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

ALMEIDA, T. M. C. de; ROCHA, E. F. O tema gênero e as autoras no campo editorial das Ciências Sociais no Brasil: um breve estudo sobre revistas A1 nos últimos 30 anos. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–23, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.1913. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1913. Acesso em: 18 jun. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

nov. 9, 2023
Palavras-chave:

Gênero, Pesquisadoras, Campo editorial, Ciências sociais, Periódicos científicos

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.