Desigualdade de gênero na ciência uma realidade nas engenharias

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as desigualdades de gênero no campo da pesquisa da área das Engenharias. A pesquisa caracteriza-se como exploratória e quali-quantitativa, com coleta de dados primários e secundários. A coleta de dados primários foi realizada por meio de consulta aos portais eletrônicos oficiais das Universidades Federais de Ensino Superior, com o propósito de traçar o panorama atual do número de docentes, por gênero, dos cursos de pós-graduação stricto sensu das engenharias destas instituições do Brasil. O resultado da pesquisa ratificou as estatísticas gerais ou dados secundários, no tocante às desigualdades de gênero neste campo. Os resultados apontam que no âmbito acadêmico das engenharias predominam os docentes do sexo masculino. No período analisado, as docentes representaram somente um quinto dos cientistas, enquanto as coordenadoras de cursos são apenas 18% do total. Desse modo, o fato das mulheres ocuparem menor espaço de destaque na área acadêmica é muito relevante, pois reflete as desigualdades de gênero, significando, sobretudo, que um número reduzido de mulheres conseguiu usufruir de uma oportunidade sociocultural e profissional na academia.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Napiê Galvê Araújo Silva
  • Leonel Ritchie de Souza Moura
  • Talita de Oliveira e Souza
Biografia
Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS. A ciência brasileira não é inclusiva. 2022. Disponível em: https://www.abc.org.br/2022/04/01/a-ciencia-brasileira-nao-e-inclusiva-diz-primeira-mulher-eleita-para-presidir-a-abc. Acesso em: 21 abr. 2022.

ALVES, J. E. D.; CORRÊA, S. Igualdade e desigualdade de gênero no Brasil: um panorama preliminar, 15 anos depois do Cairo. Belo Horizonte: Abep, 2015. p. 121-223

BANCO MUNDIAL. Relatório mulheres, empresas e o direito 2022. Washington: World Bank, 2022. Disponível em: https://wbl.worldbank.org/en/wbl. Acesso em: 29 abr. 2022.

BORGES, E. P. et al. Gênero, ciência e contexto regional: analisando diferenças entre docentes da pós-graduação de duas universidades brasileiras. 2014. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/840. Acesso em: 29 abr. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Supremo Tribunal Federal, 1988.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2021. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101784_informativo.pdf. Acesso em: 19 abr. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Resultados do censo da educação superior 2020 [On-line]. Brasília: Inep, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/assuntos/noticias/censo-da-educacao-superior/resultados-do-censo-da-educacao-superior-2020-disponiveis. Acesso em: 13 mar. 2022.

CARVALHAES, F.; RIBEIRO, C. A. C. Estratificação horizontal da educação superior no Brasil: desigualdades de classe, gênero e raça em um contexto de expansão educacional. Tempo Social, v. 31, n. 1, p. 195-233, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2019.135035. Acesso em: 30 mar. 2022.

CASAGRANDE, L. S.; SOUZA, Â. M. F. de L. Para além do gênero: mulheres e homens em engenharias e licenciaturas. Revista Estudos Feministas, v. 24, p. 825-850, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2016v24n3p825. Acesso em: 03 de abr. 2022.

CASAGRANDE, L. S.; SOUZA, A. M. F. de L. Percorrendo labirintos: trajetórias e desafios de estudantes de engenharias e licenciaturas. Cadernos de pesquisa, v. 47, n. 163, p. 168-200, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/198053143658. Acesso em: 04 de abr. 2022.

CASEIRO, L. C. Z. Desigualdade de acesso à educação superior no Brasil e o Plano Nacional de Educação. Série PNE em Movimento. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2016.

CEBRIÁN, I.; MORENO, G. Os efeitos das diferenças de gênero nas interrupções de carreira na diferença salarial de gênero na Espanha. Economia Feminista, v. 21, n. 4, p. 1-27, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13545701.2015.1008534. Acesso em: 25 abr. 2022.

CECI, S. J. et al. Mulheres na ciência acadêmica: um cenário em mudança. Psychological Science in the Public Interest, v. 15, n. 3, p. 75-141, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1529100614541236. Acesso: em 17 abr. 2022.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, dez., 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000300002. Acesso em: 15 mar. 2022.

CARRARA, S.; HEIBOM, M. L. Gênero e diversidade na escola: formação de professoras/es em gênero, orientação sexual e relações étnico-raciais. Caderno de Atividades. Rio de Janeiro/Brasília: CEPESC/SPM, 2009.

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA (Confea). Relatório de profissionais ativos por gênero. 2022. Disponível em: https://relatorio.confea.org.br/Profissional/ProfissionaisPorTituloeGenero. Acesso em: 06 abr. 2022.

COSTA, E. V. da. Da monarquia à república: momentos decisivos. Unesp, 1998.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). O mercado de trabalho e a formação dos engenheiros no Brasil. Rio de Janeiro: FISENGE, 2019.

FEIST, G. J. How development and personality influence scientific thought, interest, and achievement. Review of General Psychology, 2006. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1037/1089-2680.10.2.163. Acesso em: 29 mar. 2022.

FERNANDEZ, B. P. Economia feminista: metodologias, problemas de pesquisa e propostas teóricas em prol da igualdade de gêneros. Revista Brasileira de Economia Política, v. 38, n. 3, p. 559-583, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0101-35172018-2815. Acesso em: 20 abr. 2022.

FERREIRA, M. M. O profissional da informação no mundo do trabalho e as relações de gênero. Transinformação, v. 15, p. 189-201, 2003.

INTERNATIONAL MONETARY FUND (IMF). Fórum Econômico Mundial. Global Gender Gap Report 2014. 2015.

INTERNATIONAL MONETARY FUND (IMF). Fórum Econômico Mundial. Global Gender Gap Report 2021. 2022. Disponível em: https://www.weforum.org/reports/global-gender-gap-report-2021. Acesso em: 07 abr. 2022.

GROSUL, M.; FEIST, G. J. The creative person in science. Psychology of Aesthetics, Creativity, and the Arts, v. 8, n. 1, p. 30-43, 2014. Disponível: https://psycnet.apa.org/record/2013-39642-001. Acesso em: 29 mar. 2022.

HAYASHI, M. C. P. I. et al. Indicadores da participação feminina em ciência e tecnologia. Transinformação, Campinas, n. 19, v. 2, p. 169-187, mai./ago., 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tinf/a/Ls7NZzhhV6fh3ksyP4LfsBQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 29 mar. 2022.

HRYNIEWICZ, L. G. C.; VIANNA, M. A. Mulheres em posição de liderança: obstáculos e expectativas de gênero em cargos gerenciais. Cadernos Ebape.br, v. 16, n. 3, p. 331-344, 2018.

INSTITUTO DE ENGENHARIA. Única mulher brasileira que já participou da Olimpíada Internacional de Informática é aprovada no MIT aos 17 anos. 2022. Disponível em: https://www.institutodeengenharia.org.br/site/2022/04/07/unica-mulher-brasileira-que-ja-participou-da-olimpiada-internacional-de-informatica-e-aprovada-no-mit-aos-17-anos. Acesso em: 21 abr. 2022.

LIMA, C. R. N. de A. Gênero, trabalho e cidadania: função igual, tratamento salarial desigual. Revista Estudos Feministas, v. 26, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2018v26n347164. Acesso em: 10 abr. 2022.

LOCH, R. M. B.; TORRES, K. B. V.; COSTA, C. R. Mulher, esposa e mãe na ciência e tecnologia. Revista Estudos Feministas, v. 29, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/wsmDtkBwsTk8JRsT5xvpQsL/. Acesso em: 13 abr. 2022.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

MORAES, A. Z. De; CRUZ, T. M. Estudantes de engenharia: entre o empoderamento e o binarismo de gênero. Cadernos de Pesquisa, v. 48, p. 572-598, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/198053145159. Acesso em: 15 ago. 2020.

MOREIRA, M. L.; VELHO, L. Pós-graduação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais numa perspectiva de gênero. Cadernos Pagu, p. 279-308, 2010.

MORGENROTH, T.; RYAN, M. K. Enfrentando a desigualdade de gênero: obstáculos e estradas à frente. Processos de Grupo e Relações Intergrupais, v. 21, n. 5, p. 671-677, 2018 Disponível em: https://doi.org/10.1177/1368430218786079. Acesso em: 21 abr. 2022.

NAIKEDA, N. et al. Mulheres cientistas na química brasileira. Química Noca, v. 43, p. 823-836, 2020.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OECD). Education at a glance 2019: OECD indicators. Paris: OECD Publishing, 2019. Disponível em: https://read.oecd-ilibrary.org/education/education-at-a-glance-2019_f8d7880d-en. Acesso em: 29 abr. 2022.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Mulheres no trabalho: tendências 2016. Genebra: OIT, 2016. Disponível em: https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/---publ/documents/publication/wcms_457096.pdf. Acesso em: 20 abr. 2022.

RUNCO, M. A. Creativity. Theories and Themes: research, development, and practice. Amsterdã: Elsevier, 2014.

SILVA, M. T. da. A engenheira: um estudo empírico da divisão sexual do trabalho. 1992. Dissertação. (Mestrado em Administração) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 1992.

TEIXEIRA, M. O. Um olhar da economia feminista para as mulheres: os avanços e as permanências das mulheres no mundo do trabalho entre 2004 e 2013. 2017. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

TORRES, K. B. V. et al. Inclusão das mulheres nas ciências e tecnologia: ações voltadas para a educação básica. Expressa Extensão, v. 22, n. 2, p. 140-156, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO (Unesco). Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). Brasília: Unesco, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO (Unesco). Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). Brasília: Unesco, 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO (Unesco). Quarto relatório global sobre aprendizagem e educação de adultos: não deixar ninguém para trás; participação, equidade e inclusão. Brasília: Unesco, 2020. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000374407. Acesso em: 09 abr.2021.

VIANNA, C. P.; UNBEHAUM, S. O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, p. 77-104, 2004.

VIEIRA, V. A. As tipologias, variações e características da pesquisa de marketing. Revista FAE, v. 5, n. 1, p. 61-70, 2002.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

GALVÊ ARAÚJO SILVA, N.; DE SOUZA MOURA, L. R.; DE OLIVEIRA E SOUZA, T. Desigualdade de gênero na ciência: uma realidade nas engenharias. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–21, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.1917. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1917. Acesso em: 14 abr. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

set. 13, 2023
Palavras-chave:

Desigualdade de gênero, Docentes, Engenharia, Pesquisa, Universidades Federais de Ensino Superior

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.