Pesquisa e pós-graduação brasileira – assimetrias

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O artigo, utilizando dados existentes nas agências de fomento, em especial a Capes e o CNPq, bem como sugestões discutidas nos fóruns promovidos pelo Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós- Graduação das IES brasileiras (Foprop), no período de 1998 a 2004, realiza uma abordagem crítica a respeito das políticas adotadas para a distribuição dos recursos, mostrando que os critérios utilizados para tanto deixam, em muitos casos, de considerar aspectos relevantes como as questões demográficas nacional, regionais e estaduais, levando a equívocos que tiveram como resultado, a ampliação de desigualdades e desequilíbrios, em especial entre os Estados brasileiros. Como proposta, o trabalho aponta a necessidade da adoção de políticas de planejamento estratégico que envolvam os Estados e as instituições ali existentes, para, em um esforço conjunto, poder reduzir tais desequilíbrios.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Flávio Bortolozzi
  • Waldemiro Gremski
Biografia
Referências

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

BORTOLOZZI, F.; GREMSKI, W. Pesquisa e pós-graduação brasileira – assimetrias. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 1, n. 2, 2011. DOI: 10.21713/2358-2332.2004.v1.39. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/39. Acesso em: 23 abr. 2024.

Seção

Estudos
Palavras-chave:

desigualdades regionais. planejamento estratégico. financiamento da pesquisa. pós-graduação.