A sociogênese do subcampo científico da Educação Física brasileira tensões no seu fazer científico

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

O ensaio objetivou analisar as condições e contextos, as continuidades e rupturas que foram intervenientes na apropriação dos objetos de estudo durante o processo de estruturação do subcampo científico da Educação Física no sistema de pós-graduação do Brasil. Os resultados amparados na obra de Pierre Bourdieu apontam para um contexto de estruturação do subcampo marcado pela interiorização de demandas externas do campo científico da pós-graduação brasileira somado à exteriorização da interioridade permeada por conflitos em torno da especificidade da identidade de área da Educação Física, sobretudo na dicotomia entre Ciências Naturais e Humanas que demarcou disputas no interior da produção científica da área. As principais conclusões indicam que a compreensão do universo científico na perspectiva bourdieusiana revelam os nexos que dificultariam a mobilização da “comunidade acadêmica” no sentido de solucionar as problemáticas relacionadas à área da Educação Física. Ademais, ao entender o espaço da ciência enquanto campo, rompe-se com a ideia de um corpo homogêneo de pesquisadores. Afinal a concorrência instaurada no subcampo da Educação Física reforça posturas científicas contrárias e demarcatórias de posição e ainda aumenta a necessidade de afirmação no campo, em muito, dependente da produção científica em forma de artigo nos mais altos estratos do Qualis Periódicos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Tatiana Sviesk Moreira UFPR
  • Juliano Souza UEM
  • Pedro Henrique Iglesiaz Menegaldo UEM
  • Marcelo Moraes e Silva UFPR
Biografia
Tatiana Sviesk Moreira, UFPR

Mestre e Doutora em Educação Física - UFPR.

Juliano Souza, UEM

Mestre e Doutor em Educação Física - UFPR

Professor do Departamento de Educação Física - UEM

Pedro Henrique Iglesiaz Menegaldo, UEM

Mestre e Doutorando em Educação Física - UEM

Marcelo Moraes e Silva, UFPR

Doutor em Educação - UNICAMP

Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Educação - UFPR 

Referências

ALMEIDA, Karla Nazareth Corrêa. A pós-graduação no Brasil: história de uma tradição inventada. 2017. 213f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.
AMADIO, Alberto Carlos. Construindo o futuro, significado dos 40 anos da Pós-graduação da EEFE-USP e contextualização histórica: Universidade e ciência. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 31, p. 7-18, 2017.
AZEVEDO, Mário Luiz Neves; CATANI, Afrânio Mendes; HEY, Ana Paula. Circulação das ideias e internacionalização da Educação Superior: inferências a partir da teoria dos campos de Pierre Bourdieu. Educação, v. 40, n. 3, p. 296-304, 2017.
BARATA, Rita de Cássia Barradas. Dez coisas que você deveria saber sobre o Qualis. RBPG. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 13, n. 30, 2016.
BENTO, Jorge Olímpio. Desporto, saúde, vida: Em defesa do desporto. Lisboa: Livros Horizonte, 1991.
BETTI, Mauro. Por uma teoria da prática. Motus corporis, v. 3, n. 2, p. 73-127, 1996.
BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.
BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. UNESP, 2004.
BOURDIEU, Pierre. Para uma Sociologia da Ciência. Lisboa: Edições 70, 2008.
BOURDIEU, Pierre. Homo Academicus. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.
BRACHT, Valter. Educação Física & Ciência: cenas de um casamento (in)feliz. Ijuí: Unijuí, 1999.
BROOKS, George A. Perspectives on the academic discipline of physical education. Champaign, IL: Human Kinetics, 1981.
BROWN, Camille; CASSIDY, Rosalind. Theory in physical education: A guide to program change. Philadelphia: Lea & Febiger, 1963.
CAGIGAL, José Maria. La educación física¿ ciencia? Citius, Altius, Fortius, v.10, n.1-2, p. 5-26, 1968.
CASTIEL, Luis David; SANZ-VALERO, Javier. Entre fetichismo e sobrevivência: o artigo científico é uma mercadoria acadêmica?. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 12, p. 3041-3050, 2007.
CORRÊA, Aline Jorge et al. O esporte brasileiro entre dilemas epistemológicos: da acusação à busca por absolvição. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 22, n. 3, p. 118-125, 2014.
CORRÊA, Marluce Raquel Decian; CORRÊA, Leandro Quadro; RIGO, Luíz Carlos. A pós-graduação na educação física brasileira: condições e possibilidades das subáreas sociocultural e pedagógica. Revista Brasileira de Ciências do Esporte,v. 41, p. 359-366, 2019.
CUNHA, Luiz Antônio. A universidade reformanda: o golpe de 1964 e a modernização do ensino superior. São Paulo: Editora da UNESP, 2007.
FERON, Arthur de Vargas; MORAES E SILVA, Marcelo. A igreja do “diabo” e a produção do conhecimento na educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 29, n. 1, p. 107-122, 2007.
FURTADO, Heitor Luiz; HOSTINS, Regina Célia Linhares. Avaliação da pós-graduação no Brasil. Revista de Educação PUC-Campinas, v. 19, n. 1, p. 15-23, 2014.
FURTADO, Heitor Luiz et al. Panorama da pós-graduação stricto sensu em Educação Física no Brasil: primeiros indicativos. Educere et Educare, v. 16, n. 39, p. 50-74.
GERMANO, José Willington. Estado e educação no Brasil (1964-1985). São Paulo: Cortez, 1993.
GOMES, Leonardo do Couto et al. Programas de pós-graduação stricto sensu em educação física no Brasil: diversidades epistemológicas na subárea pedagógica. Movimento, p. e25012-e25012, 2019.
HOSTINS, Regina Célia Linhares. Os Planos Nacionais de Pós-graduação (PNPG) e suas repercussões na Pós-graduação brasileira. Perspectiva, v. 24, n. 1, p. 133-160, 2006.
KOKUBUN, Eduardo. Pós-graduação em educação física no Brasil: indicadores objetivos dos desafios e das perspectivas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 24, n. 2, 2003.
KUENZER, Acacia Zeneida; MORAES, Maria Célia Marcondes de. Temas e tramas na pós-graduação em educação. Educação & Sociedade, v. 26, n. 93, p. 1341-1362, 2005.
KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2017.
LAZZAROTTI FILHO, Ari. et al. Modus operandi da produção científica da EF: uma análise das revistas e suas veiculações. Revista da Educação Física/UEM, v.23, p.1-14, 2012.
LAZZAROTTI FILHO, Ari. et al. Tendências no campo da educação física brasileira. Análise dos documentos produzidos pela área 21 da Capes. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 40, p. 233-241, 2018.
LE BOULCH Jean. Vers une scien du mouvement humain: introduction à la psychocinétique. Paris: Expansion Scientifique Française, 1971.
LIMA, Homero Luis Alves. Pensamento epistemológico da educação física brasileira: das controvérsias acerca do estatuto científico. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 21, n. 2, 2000.
LOVISOLO, Hugo. Hegemonia e legitimidade nas ciências dos esportes. Motus Corporis, v. 3, n. 2, p. 51-72, 1996.
MANOEL, Edison de Jesus; CARVALHO, Yara Maria de. Pós-graduação na educação física brasileira: a atração (fatal) para a biodinâmica. Educação e Pesquisa, v. 37, p. 389-406, 2011.
MORAES E SILVA, Marcelo. et al. Pós-graduação em Educação Física: apontamentos sobre o livro “Dilemas e desafios da pós-graduação em Educação Física”. Journal of physical education, v. 28, 2017.
PAIVA, Fernanda. Ciência e poder simbólico no Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte. Vitória: UFES, 1994.
PARLEBAS, Pierre. Pour une épistémologie de l’éducation physique et sportive. Revue de l’éducation physique et sportive (EPS), v. 110, p. 5-22, 1971.
QUITZAU, Evelise Amgarten; MORAES E SILVA, Marcelo. Educación Física y ciencia: una mirada historiográfica. The Journal of the Latin American Socio-cultural Studies of Sport, v. 12, n. 1, p. 23-42, 2020.
RAMOS, Milena Yumi. Internacionalização da pós-graduação no Brasil: lógica e mecanismos1. Educação e pesquisa, v. 44, e161579, 2017.
RECHIA, Simone Aparecida. et al. (orgs,). Dilemas e Desafios da Pós-Graduação em Educação Física. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2015.
RIGO, Luis Carlos; RIBEIRO, Gabriela M.; HALLAL, Pedro C. Unidade na diversidade: desafios para a Educação Física no século XXI. Revista brasileira de atividade física & saúde, v. 16, n. 4, p. 339-345, 2011.
RODACKI, André Luiz Felix. As Universidades Brasileiras e os 40 anos da Pós-graduação da EEFE-USP. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 31, p. 51-54, 2017.
ROSA, Suely; LETA, Jacqueline. Tendências atuais da pesquisa brasileira em Educação Física. Parte 2: a heterogeneidade epistemológica nos programas de pós-graduação. Revista brasileira de educação física e esporte, v. 25, n. 1, p. 7-18, 2011.
SANTOS, Cássio Miranda dos. Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação & sociedade, v. 24, n. 83, p. 627-641, 2003.
SCHWARTZMAN, Simon. Um espaço para a ciência: formação da comunidade científica no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.
SÉRGIO, Manuel. Para uma epistemologia da motricidade humana. Lisboa: Compendium, 1987.
SÉRGIO, Manuel. Educação Física ou ciência da motricidade humana. Campinas: Papirus, 1989.
SILVA, Junior Vagner Pereira; GONÇALVES-SILVA, Luiza Lana; MOREIRA, Wagner Wey. Produtivismo na pós-graduação. Nada é tão ruim, que não possa piorar. É chegada a vez dos orientandos!. Movimento, v. 20, n. 4, p. 1423-1445, 2014.
DE SOUZA, Juliano. Da força do argumento ou do argumento de força? Notas para repensar a produção teórico-crítica em Educação Física no Brasil. The Journal of the Latin American Socio-cultural Studies of Sport, v. 9, n. 1, p. 108-127, 2018.
SOUZA, Juliano. Do homo movens ao homo academicus: rumo a uma teoria reflexiva da Educação Física. São Paulo: LiberArs, 2021.
TANI, Go. Cinesiologia, educação física e esporte: ordem emanente do caos na estrutura acadêmica. Motus corporis, v. 3, n. 2, p. 9-50, 1996.
TEIXEIRA, Fabiane Castilho et al. Entre pesquisa e docência: notas sobre o projeto formativo stricto sensu em Educação Física. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 101, p. 164-181, 2020.
VIGARELLO, Georges. Réflexions sur l origine, l unite, et la place de la théorie en Éducation Physique. Etudes et recherches, Annales ENSEPS, n. 1, p.4-10, 1972.
VIGARELLO, Georges. Éducation physique et revendication scientifique. Esprit, n. 446, p. 739-754, 1975.
WASSEN, Joyce; DE AGUIAR PEREIRA, Elisabete Monteiro; BALZAN, Newton Cesar. Política de avaliação em programas de pós-graduação de excelência em educação. Atos de Pesquisa em Educação, v. 1, n. 10, p. 215-243, 2015.
ZUIN, Antônio AS; BIANCHETTI, Lucídio. O produtivismo na era do" publique, apareça ou pereça": um equilíbrio difícil e necessário. Cadernos de Pesquisa, v. 45, p. 726-750, 2015.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

SVIESK MOREIRA, T.; SOUZA, J.; HENRIQUE IGLESIAZ MENEGALDO, P.; MORAES E SILVA, M. A sociogênese do subcampo científico da Educação Física brasileira: tensões no seu fazer científico . Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. 39, p. 1–28, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18i39.1847. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1847. Acesso em: 27 fev. 2024.

Seção

Artigos

Publicado:

abr. 10, 2023
Palavras-chave:

Educação Física; Pós-graduação; Identidade Epistemológica.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.