O contexto do Mestrado Profissional em Química em rede nacional: documentos reguladores, práticas e produções

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este artigo se trata de um recorte de uma pesquisa de doutorado e tem por objetivo identificar as correlações do Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (PROFQUI) na formação docente com o princípio de aplicabilidade proposto por Michael Gibbons. Para tal foi realizado um estudo bibliográfico e documental por meio de documentos oficiais do PROFQUI dispostos em seu site principal, que foram analisados de forma qualitativa quanto às correspondências com o princípio de aplicabilidade proposto no Modo 2 de produção de conhecimento, em quatro características: (i) o contexto da aplicação; (ii) o contexto do problema; (iii) o contexto real; e (iv) a finalidade social. Essa proposta considera o contexto da aplicação do conhecimento como um sistema integrador de dinâmica flexível e sua finalidade social real; permitindo às instituições de ensino identificar lacunas na formação dos alunos, adequando a execução de suas atividades. Os resultados indicam que há consideráveis relações entre o Modo 2 e o PROFQUI no que diz respeito à aplicabilidade, já que em ambos há a procura pelo atendimento de uma demanda real da sociedade/comunidade e obtenção de resultados por meio de produtos da pesquisa (produto educacional) aplicados em situações pontuais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
  • Glaucia Gonzaga Universidade Federal Fluminense
  • Daniel Paiva Universidade Federal Fluminense
  • Marcelo Eichler
Biografia
Glaucia Gonzaga, Universidade Federal Fluminense

Graduação em Licenciatura em Química (2007, UENF), mestrado em Ciências Naturais subárea Química e Física do Meio Ambiente (2009, UENF), doutorado em Educação em Ciências (2021, UFRGS). Professora Adjunta III da Universidade Federal Fluminense. Atuou como vice-coordenadora do curso de Ciências Naturais - Licenciatura - (2014-2018) do Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior (INFES); colaboradora no Subprojeto PIBID "Ciências Naturais - Pádua" (2014-2017); professora pesquisadora da pós-graduação lato sensu Especialização em Gestão Escolar (UFF/SEB/MEC/Ead) - Escola de Gestores (2015-2018). Desenvolve pesquisa sobre (I) Atividades lúdicas no ensino de Ciências/Química, (II) Experimentação no ensino de Ciências/Química, (III) Formação de professores, (IV) Informática educativa e mídias na educação, (V) Tecnologia Assistiva e ensino de surdos, (VI) Divulgação e popularização das Ciências. Também trabalha com (a) poluição ambiental, (b) análise de compostos potencialmente tóxicos e persistentes, (c) análise de compostos emergentes interferentes endócrinos em água de abastecimento, (c) Química do solo e da água, (d) Ensino de Química, (e) Desenvolvimento de software educacional e objetos de aprendizagem, (f) Formação continuada presencial e a distância de professores. Integrante dos grupos de pesquisa ENCINA (Ensino de Ciências Naturais), TEC (Tecnologia, Educação e Cognição) e Área de Educação Química. Em 2019 ingressou no SocIgno ? Grupo Interdisciplinar de Pesquisas Educacionais na Sociedade da Ignorância; e em 2021, ingressou no Núcleo Mulheres SBQ (comissão de design).

Daniel Paiva, Universidade Federal Fluminense

Educador Certificado e Líder do Grupo de Educadores Google (GEG Pádua); Pesquisador Multidisciplinar; Líder do Grupo de Pesquisa TEC (Tecnologia, Educação e Cognição); Professor do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino da UFF (PPGEn, em Santo Antônio de Pádua, RJ). A formação inclui diversos cursos de curta duração e participação em eventos, além de bacharelado em Ciência da Computação (1999 - 2003); Mestrado em Computação Aplicada (UNISINOS, São Leopoldo, RS; 2004 - 2006), com bolsa HP (Hewlett Packard) e dissertação intitulada Modelagem e Simulação de Multidões Humanas em Situações da Vida Cotidiana usando Ontologias; Doutorado em Engenharia de Sistemas Eletrônicos (POLI-USP, São Paulo, SP; 2006 - 2011), com bolsa FAPESP e tese intitulada Modelagem e Simulação de Agentes com Aspectos Cognitivos para Avaliação de Comportamento Social. Atua nas frentes de pesquisa de melhoria da qualidade do ensino, desenvolvimento de tecnologias, formação docente e utilização de recursos didáticos para melhorar o engajamento estudantil.
Entre os prêmios que ganhou estão Melhor Trabalho no NeuroEdu (Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, 2017), Top10 Melhores palestras do Congresso Nacional de Tecnologias na Educação (Conatedu, 2015), Comenda Armínio João Von Hohendorff (Capítulo São Leopoldo, 2005), Melhor filme na categoria Técnica da Mostra de vídeos (SIBGRAPI, 2004). Membro do COGNITIO - USP (2006 - 2011); da SBCC; da SBNEC; da SBPC; da SBC; da SBPJOR. Colunista do Blog Tutores.

Marcelo Eichler

Possui Licenciatura em Química (1997), mestrado em Psicologia (2000) e doutorado em Psicologia do Desenvolvimento (2004), obtendo todos os títulos na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Lecionou em outras quatro universidades públicas (UERGS, UFBA, FURG e UFSC) e, atualmente, é professor adjunto do Departamento de Química Inorgânica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), docente permanente dos programas de pós-graduação em Educação (UFRGS) e em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (UFRGS/UFSM/FURG) e pesquisador da Área de Educação Química. Foi coordenador local do Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional (2017-2018) e coordenador dos cursos de química da UFRGS (2019-2020). Foi bolsista de Produtividade em Desenvolvimento Tecnológico e Extensão Inovadora entre 2010 e 2020; é bolsista de Produtividade de Pesquisa desde 03/2022. As suas atividades de pesquisa e de inovação estão relacionadas com a disseminação das tecnologias de informação e comunicação na educação científica e tecnológica. Também tem interesse pelos estudos de agnotologia e pela tematização e atualização do projeto de pesquisa de Jean Piaget. Possui experiência nas áreas de psicologia da educação e de ensino de química, atuando principalmente nos seguintes temas: epistemologia genética, psicologia ambiental, didática das ciências, informática educativa e formação de professores.

Referências

AMARAL-ROSA, M. P.; EICHLER, M. L. As tecnologias digitais e o ensino de Química: o caso do Programa de Desenvolvimento Profissional para Professores da CAPES. Práxis Educativa, v. 13, n. 2, p. 1-25, 2017a.

AMARAL-ROSA, M. P.; EICHLER, M. L. Tecnologias e professores de Química: um programa brasileiro de desenvolvimento profissional. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 2, n. 4, p. 113-125, 2017b.

ANDRÉ, M. Articulando pesquisa e prática no mestrado profissional. In: CARVALHO, M. V. C.; CARVALHÊDO, J. L. P.; ARAÚJO, F. A. M. (orgs). Caminhos da pós-graduação em educação no Nordeste do Brasil: avaliação, financiamento, redes e produção científica. Teresina: EDUFPI, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4 ed. São Paulo: Edições 70; 2011.

BERALDO, T. M. L.; GOBATTO, M. R.; COSTA, F. T. Política nacional para a formação de professores em exercício: uma análise da área das Ciências da natureza. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8., 2011, Campinas. Anais [...]. Campinas: ABRAPEC, 2011. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/viiienpec/resumos/R1484-1.pdf. Acesso em: 04 jul. 2022.

BRITO, M. V. H.; CARNEIRO, F. R. O. Development of metrics for articles published in professional master’s course. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 42, n. suppl. 1, p. 28–30, 2015.

CANDAU, V. M. F. Formação continuada de professores: tendências atuais. In: CANDAU, V.M. (org.). Magistério: construção cotidiana. Petrópolis: Vozes, p. 51-68, 1997.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 2019. Mestrado Profissional: o que é? Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/avaliacao/sobre-a-avaliacao/avaliacao-o-que-e/sobre-a-avaliacao-conceitos-processos-e-normas/mestrado-profissional-o-que-e. Acesso em: 04 jul. 2022.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 2021a. Sobre a Avaliação. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/avaliacao/sobre-a-avaliacao/avaliacao-o-que-e/sobre-a-avaliacao-conceitos-processos-e-normas. Acesso em: 04 jul. 2022.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. 2021b. Sobre as áreas de avaliação. Química. Ficha de Avaliação dos PROFs. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/documentos/avaliacao/FICHA_QUIMICA_ATUALIZADA.pdf. Acesso em: 04 jul. 2022.

CARVALHO FILHO, J. dos S. Políticas públicas e prestações judiciais determinativas. In: FORTINI, C.; ESTEVES, J. C. dos S.; DIAS, M. T. F. (orgs.). Políticas públicas: possibilidades e limites. Belo Horizonte: Fórum, 2008.

CASTRO, C. M. A hora do mestrado profissional. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 2, n. 4, p. 16-23, jul., 2005.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CUNHA, C. G. S. Avaliação de políticas públicas e programas governamentais: tendências recentes e experiências no Brasil. Revista Estudos de Planejamento, n. 12, p. 27-57, 2018.

DAY, C. Desenvolvimento profissional de professores: os desafios da aprendizagem permanente. Coleção: Currículo, Políticas e Práticas. v. 7. Portugal: Porto Editora, 2012.

DÍAZ, A. S. Uma aproximação à pedagogia-educação social. Revista Lusófona de Educação, v. 7, n. 7, 2006.

FAJARDO, I. N.; MINAYO, M. C. de S.; MOREIRA, C. O. F. Educação escolar e resiliência: política de educação e a prática docente em meios adversos. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, v. 18, p. 761-773, 2010.

FISCHER, T. Mestrado profissional como prática acadêmica. Revista Brasileira de Pós-Graduação. v. 2, n. 4, p. 24-29, 2005.

GIACOMAZZO, G. F. Rede de formação de professores da educação básica: análise dos princípios organizacionais em cursos de pós-graduação stricto sensu. EccoS – Revista Científica, n. 37, p. 93-109, maio/ago., 2015.

GIACOMAZZO, G. F.; LEITE, D. B. C. O mestrado profissional no âmbito das políticas públicas na educação: reflexões sobre a produção do conhecimento científico. ETD-Educação Temática Digital, v. 16, n. 3, p. 475-493, 2014.

GIBBONS, M.; et al. The new production of knowledge: the dynamics of science and research in contemporary societies. London: Sage, 1994.

GIBBONS, M.; LUKE, G. Evaluation of research. A selection of current practices. Paris, France: OECD Publications, 1989. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=ED285747. Acesso em: 04 jul. 2022.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GONZAGA, G. R.; PAIVA, D. C.; EICHLER, M. L. Desafios e perspectivas atuais na formação do professor de química: expectativas sobre o mestrado profissional em química em Rede Nacional (PROFQUI). Química Nova, v.43, n.4, p. 493-505, 2020.

GOULART, I. B. et al. Mestrado Profissional em Administração: a visão dos coordenadores de cursos e dos egressos de Minas Gerais. In: SIMPÓSIO AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR, 3., 2017, Santa Catarina. Anais [...]. Santa Catarina: Universidade Federal de Santa Catarina, 2017. 17 p.

GRAY, D. E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

IMBERNÓN, F. Formação continuada de professores. Porto Alegre: Artmed, 2010.

IMBERNÓN, F.; COLÉN, M. T. Los vaivenes de la formación inicial del professorado: una reforma siempre inacabada. Revista Tendências Pedagógicas, n. 25, p. 57-56, 2014.

KUENZER, A. Z. EM e EP na produção flexível: a dualidade invertida. Revista Retratos da Escola, v. 5, n. 8, p. 43-55, jan./jun., 2011.

LIMA, A. B.; MANSANO, S. R. V. A universidade como produtora de conhecimento e diversidade: uma análise sobre a rude contemporaneidade brasileira. Sociedade em Debate, v. 26, n. 2, p. 29-41, 2020.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2008.

MACIEL, C. M. L. A. Avaliação do curriculum ‘ensino fundamental’ (1ª a 4ª série) no Brasil: Análise da introdução do conceito de regulação na avaliação do ensino-aprendizagem. 2002. Tese. (Doutorado em Educação) – Facultat de Ciencies de l’Educació Universitat Autónoma de Barcelona, Barcelona, 2002. Disponível em: https://www.tesisenred.net/handle/10803/5021. Acesso em: 14 fev. 2023.

MARCELO, C. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, v.8, p.7-22, 2009.

MENANDRO, P. R. M. Réplica 2 - Mestrado Profissional, você sabe com quem está falando?. Revista de Administração Contemporânea – RAC, v. 14, n. 2, p. 367-371, abr., 2010.

MINAYO, M. C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MUELLER, S. P. M. Métricas para a ciência e tecnologia e o financiamento da pesquisa: algumas reflexões. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 13, n. 1, p. 24-35, 2008.

NASCIMENTO, M. das G. A formação continuada dos professores: modelos, dimensões e problemática. Ciclo de conferências da constituinte escolar. Caderno Temático, n. 5, jun., 2000.

NEGRET, F. A identidade e a importância dos mestrados profissionais no Brasil e algumas considerações sobre a sua avaliação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 5, n. 10, p. 217-225, 2008.

OLIVEIRA, A. F. Políticas Públicas Educacionais: conceito e contextualização numa perspectiva didática. In: OLIVEIRA, A. F.; PIZZIO, A.; FRANÇA, G. (Org.). Fronteiras da educação: desigualdades, tecnologias e políticas. Goiás: PUC Goiás, 2010. p. 93-99.

PAIXÃO, R. B.; HASTENREITER FILHO, H. N. Autoavaliação de impactos: o que nos dizem os egressos de um Mestrado Profissional em Administração?. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 15, n. 4, p. 831–859, 31 dez. 2014.

PROFQUI. Mestrado Profissional em Química em Rede Nacional. 2021. Disponível em: https://profqui.iq.ufrj.br/autoavaliacao/. Acesso em: 14 fev. 2023.

REZENDE, F.; OSTERMANN, F. O protagonismo controverso dos MP em Ensino de Ciências. Revista Ciência e Educação. v. 21, n. 3, p. 543-558, 2015.

RIBEIRO, R. J. Ainda sobre o mestrado profissional na atual política da Capes. Revista Brasileira de Pós-Graduação, v. 3, n. 6, p. 313-315, dez., 2006.

SARAIVA, L. A. S.; NUNES, A. de S. A efetividade de programas sociais de acesso à educação superior: o caso do ProUni. Revista de Administração Pública, v. 45, p. 941-964, 2011.

SCHEIBE, L. Valorização dos profissionais de educação: a formação como foco. In: AGUIAR, M. Â. da S.; OLIVEIRA, J. F. (orgs.). Valorização dos profissionais da educação: formação e condições de trabalho. Camaragibe/PE: CCS Gráfica e Editora, p. 13-30, 2016.

SCHEIBE, L. Valorização e formação dos professores para a educação básica: questões desafiadoras para um novo plano nacional de educação. Educação e Sociedade, v. 31, n. 112, p. 981-1000, 2010.

SCHWARTZ, L. B.; REZENDE, F. A qualidade do ensino de Ciências na voz de professores da educação profissional técnica de nível médio. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, p. 73-95, 2013.

SIMÕES, A. A. Curso: avaliação de políticas públicas: tipologias e técnicas de análise. Brasília: Enap, 2018. Disponível em: https://repositorio.enap.gov.br/handle/1/3369. Acesso em: 04 jul. 2022.

TREVISAN, A. P.; VAN BELLEN, H. M. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 3, p. 529-550, mai./jun., 2008.

VAILLANT, D.; MEDRANO, C. V. Aprendizaje y desarrollo profesional docente. Madrid, Espanha: Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI), 2009.

VICENTE, J. P. A. Institucionalização do mestrado profissional no Brasil: pontos e contrapontos de uma política pública (1965-2011). Programa de Pós-Graduação em Educação. 2019. Tese. (Doutorado em Educação) – Universidade de Uberaba, Minas Gerais, 2019. Disponível em: https://repositorio.uniube.br/handle/123456789/1146. Acesso em: 04 jul. 2022.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

GONZAGA, G.; PAIVA, D.; EICHLER, M. O contexto do Mestrado Profissional em Química em rede nacional:: documentos reguladores, práticas e produções. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. 39, p. 1–24, 2022. DOI: 10.21713/rbpg.v18i39.1850. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1850. Acesso em: 23 maio. 2024.

Seção

Artigos

Publicado:

ago. 28, 2022
Palavras-chave:

Public Policies in Education, Institutional Assessment, Knowledge Production, Professional Master's Políticas Públicas en Educación, Evaluación Institucional, Producción de Conocimiento, Máster Profesional Políticas Públicas em Educação, Avaliação Institucional, Produção do Conhecimento, Mestrado Profissional

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.