Engenharia, gênero e formação em ciências exatas análise da participação feminina em uma instituição de ensino superior

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Esse artigo tem como propósito realizar uma análise da participação feminina em cursos superiores da área de ciências exatas, notadamente nas engenharias, em que há maior participação de discentes e docentes do sexo masculino. A metodologia utilizada incluiu a aplicação de questionário a alunas e alunos de uma instituição de ensino superior, – o Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – que oferece, majoritariamente, cursos na área de ciências exatas. A discussão de resultados, pautada pelo referencial de estudos de gênero, incorporou análises quantitativas e qualitativas e assim constatou que os cursos de engenharia investigados mantêm práticas discursivas e relações de poder sexualizadas, implicadas na dominação masculina hegemônica dentro desse segmento profissional.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Georgia de Souza Assumpção, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - Cefet/RJ. Bolsista do Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior (PDSE) da CAPES.

Amanda Chousa Ferreira , Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Estudante bolsista Capes pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas do Centro Federal de Educação Tecnológica.

Júlia Martins de Queiroz Candido, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - Cefet/RJ

Estudante bolsista CNPq pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - Cefet/RJ.

Paula Lichtenfels Halegua, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Estudante bolsista CNPq pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - Cefet/RJ.

Alexandre de Carvalho Castro , Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Doutor em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca - Cefet/RJ.

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

ASSUMPÇÃO, G. de S.; CASTRO, A. de C.; CHRISPINO, Á. Políticas públicas em Educação Superior a Distância – um estudo sobre a experiência do Consórcio Cederj. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 26, n. 99, p. 445-470, mar., 2018.

ASSUMPÇÃO, G.de S.; HAMADA, P. C.; CASTRO, A. de C. Análise do perfil dos alunos do primeiro curso de EAD em engenharia de produção em instituição de ensino superior pública. Revista Produção Online, v. 18, n. 2, p. 404-423, jun., 2018.

BATISTA, M. da S. et al. Aspectos das influências do gênero nas relações de trabalho de engenheiras de produção formadas numa instituição federal. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 14, n. 32, 2018.

BORGES, G. da R. et al. A relação entre o perfil dos alunos que cursam EAD e os motivos de escolha desta modalidade. Revista de Administração da Unimep, v. 14, n. 3, p. 80-101, 18 dez., 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Resolução Normativa nº 016 de 2006. 2006. Dispõe sobre as bolsas individuais no país. Disponível em: http://memoria.cnpq.br/web/guest/view/-/journal_content/56_INSTANCE_0oED/10157/100343. Acesso em: 20 abr. 2022.

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Portaria nº 220, de 12 de novembro de 2010. 2010. Dispõe sobre a prorrogação da vigência do prazo no caso de parto ocorrido durante o período da bolsa de estudo. Disponível em: http://cad.capes.gov.br/ato-administrativo-detalhar?idAtoAdmElastic=713#anchor. Acesso em: 20 abr. 2022.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Estatística E Geografia (IBGE). Diferença cai em sete anos, mas mulheres ainda ganham 20,5% menos que homens. Agência de Notícias, 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/23924-diferenca-cai-em-sete-anos-mas-mulheres-ainda-ganham-20-5-menos-que-homens. Acesso em: 05 mai. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior 2011 - Resumo técnico. Brasília: Inep, 2013. Disponível em: http://download.inep.gov.br/download/superior/censo/2011/resumo_tecnico_censo_educacao_superior_2011.pdf. Acesso em: 03 jul. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior - Notas Estatísticas - 2017. Brasília: Inep 2018. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2018/censo_da_educacao_superior_2017-notas_estatisticas2.pdf. Acesso em: 01 jul. 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior 2020 - Notas estatísticas. Brasília: Inep, 2022. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/notas_estatisticas_censo_da_educacao_superior_2020.pdf. Acesso em: 15 mar. 2022.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.536, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre a prorrogação dos prazos de vigência das bolsas de estudo concedidas por agências de fomento à pesquisa nos casos de maternidade e de adoção. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13536.htm. Acesso em: 18 abr. 2022.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. Médicas, arquitetas, advogadas e engenheiras: mulheres em carreiras, profissionais de prestígio. Revista Estudos Feministas, 1 jan., 1999.

BUTLER, J. Gender Trouble: feminism and the subversion of Identity. New York: Routledge, 1990.

CABRAL, C. G. As Mulheres nas escolas de engenharia brasileiras: história, educação e futuro. Cadernos de Gênero e Tecnologia, 2005. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6139/3790. Acesso em: 21 abr. 2022.

CASAGRANDE, L. S. et al. Engenheiras no CEFET/PR?. Cadernos de Gênero e Tecnologia, Curitiba-PR. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6133/3784. Acesso em: 10 jun. 2019.

DUCROT, O. O dizer e o dito. São Paulo: Pontes, 1987.

DUCROT, O.; CAREL, M. Descrição argumentativa e descrição polifônica: o caso da negação. Letras de hoje, v. 43, n. 1, p. 7-18, jan./mar., 2008.

EGLIN, P.; HESTER, S. The montreal massacre: a story of membership categorization analysis. Canadá: Wilfrid Laurier University Press, 2003. Disponível em: https://www.semanticscholar.org/paper/The-Montreal-Massacre%3A-A-Story-of-Membership-Eglin/. Acesso em: 26 de fev. 2019.

FAULKNER, W. Tornar-se e pertencer: processo de generificação na engenharia. Cadernos de Gênero e Tecnologia, 2007. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6161. Acesso em: 10 jun. 2019.

FRANCELIN, M. M. Ciência, senso comum e revoluções científicas: ressonâncias e paradoxos. Ciência da Informação, v. 33, n. 3, p. 26-34, dez., 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-19652004000300004. Acesso em: 22 jul. 2020.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições, v. 14, n. 3, p. 89-101, 2003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643863/11340. Acesso em: 08 out. 2020.

LAZZARINI, A. B. et al. Mulheres na ciência: papel da educação sem desigualdade
de gênero. Revista Ciência em Extensão. v. 14, n. 2, p. 188-194, 2018.

LIMA, B. S. Políticas de equidade em gênero e ciências no Brasil: avanços e desafios. 2017. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/983803. Acesso em: 1 set. 2018.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.

MASSARANI, L.; CASTELFRANCHI, Y.; PEDREIRA, A. E. Cientistas na TV: como homens e mulheres da ciência são representados no Jornal Nacional e no Fantástico. Cadernos Pagu, Campinas, n. 56, e195615, 2019.

OLIVEIRA, E. R. B.de; UNBEHAUM, S.; GAVA, T. A educação STEM e gênero: uma contribuição para o debate brasileiro. Cadernos de Pesquisa, v. 49, n. 171, p. 130-159, mar., 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1590/198053145644. Acesso em: 08 mai. 2020.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OCDE). Programme for International Student Assessment (EDS.). The ABC of gender equality in education: aptitude, behaviour, confidence. Paris: OECD, 2015.

RODRIGUES, C. L.; JULIO, M. E. R. D. F.; LOBASSO, N. G. Q. Estudo da percepção do gênero feminino no curso de Engenharia de Produção do CEFET/RJ Maracanã. 2019. Projeto Final (Graduação em Engenharia de Produção) – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Departamento de Engenharia de Produção, Rio de Janeiro, RJ, 2019.

SAFATLE, V. Aquele que diz "não": Sobre um modo peculiar de falar de si. In: FREUD, S. (org.). A negação. São Paulo: Cosac Naif, 2014.

SANTOS, C. M. dos; CASTRO, A. de C.; ASSUMPCAO, G. de S. A engenharia de produção na modalidade a distância: levantamento quantitativo de cursos de graduação de 2008 a 2019. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 39., 2019, Rio de Janeiro/Santos. Anais [...]. Rio de Janeiro: Abepro, p. 1-19, 2019.

SARAIVA, K. A produção do feminino nas escolas de engenharia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA (COBENGE), 31., 2013, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: COBENGE, 2013.

SILVA, N. S.; GITAHY, L. M. C. Gênero e divisão sexual do trabalho no Brasil. Cadernos de Gênero e Tecnologia, 2006. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6155. Acesso em: 10 jun. 2019.

SIMIÃO, D. S. Gênero no mundo do trabalho: variação sobre um tema. Cadernos de Gênero e Tecnologia, 2006. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/cgt/article/view/6143. Acesso em: 10 jun. 2019.

SCOTT, J. W. Gender: a useful category of historical analysis. The American Historical Review; v. 91, n. 5, p. 1053, dez. 1986.

SCOTT, J. W. Gender: still a useful category of analysis? Diogenes; 57(1), p. 7-14, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0392192110369316. Acesso em: 11 ago. 2019.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

ASSUMPÇÃO, G.; FERREIRA , A.; CANDIDO, J.; HALEGUA, P.; CASTRO , A. . Engenharia, gênero e formação em ciências exatas: análise da participação feminina em uma instituição de ensino superior. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. especial, p. 1–26, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18iespecial.1893. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1893. Acesso em: 20 maio. 2024.

Seção

Dossiê Temático

Publicado:

set. 13, 2023
Palavras-chave:

Genre, Exact Sciences, Engineering Education Género, Ciencias Exactas, Educación en Ingeniería Gênero, Ciências Exatas, Educação em Engenharia

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.