Crianças negras e estudos culturais o estado da arte em periódicos brasileiros (2010-2020)

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este artigo objetiva investigar a articulação entre as crianças negras e o campo de conhecimento dos Estudos Culturais em artigos de revistas científicas brasileiras no período de 2010 a 2020. O método se caracteriza pela abordagem qualitativa com aplicação de pesquisa bibliográfica e realização de Estado da Arte preliminar fundamentado nos processos de levantamento, mapeamento e análise de artigos com Qualis A1 e A2 (Educação e Interdisciplinar), com visualização do estado do conhecimento e perfil editorial das revistas. O recorte temporal compreende os últimos 10 anos de produção, considerando o Estatuto da Criança e do Adolescente. A etapa analítica está baseada nos Gêneros Discursivos do Círculo de Bakhtin (2016). Localizou-se cinco artigos sobre crianças negras no Brasil, sendo estruturadas as categorias: 1) crianças negras e racismo, com abrangência às meninas e meninos negros na literatura infantil, infâncias diante o racismo e interlocuções entre raça e Educação Infantil; 2) crianças negras e identidade, com temas referentes as crianças em iconografias no Brasil (séc. XIX e XX) e constituição da negritude na infância. Conclui-se que há necessidade de ampliação de publicações sobre a temática e, principalmente, que contemplem os Estudos Culturais como campo epistemológico, sendo uma possibilidade a publicação de dossiês temáticos, para produção de conhecimento e divulgação científica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Antonio Matheus do Rosário Corrêa, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes da Amazônia da Universidade Federal do Pará (PPLSA/UFPA). Especialista em Psicologia Educacional e Coordenação Pedagógica pelo Centro Universitário Leonardo da Vinci (UNIASSELVI). Licenciado em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança, Faculdade de Educação (UFPA/CBRAG/FACED). Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior  no Programa de Demanda Social (DS-CAPES). Membro do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança (NEAB/UFPA).

Raquel Amorim dos Santos, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA); Especialista em Currículo e Avaliação na Educação Básica pela Universidade do Estado do Pará (UEPA); Graduada em Pedagogia pela Universidade da Amazônia (UNAMA); Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Castanhal, Faculdade de Pedagogia; Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes da Amazônia (PPLSA/UFPA); Líder do Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro-Brasileiros (NEAB/UFPA); Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais (GERA/IFCH/UFPA) e Núcleo de Pesquisa Infâncias Amazônicas (NUPEIA/UFPA).

Agenor Sarraf Pacheco, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutor e Mestre em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP); Especialista em Métodos e Técnica em Elaboração de Projetos Sociais pela Pontíficia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG); Licenciado Pleno e Bacharel em História pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Coordena o Grupo de Pesquisa Estudos Culturais na Amazônia (GECA/CNPq/UFPA); Professor Associado I da Universidade Federal do Pará (UFPA), lotado no Instituto de Ciências Humanas (IFCH), vinculado à Faculdade de História (FAHIS) e aos Programas de Pós-Graduação em História Social da Amazônia (PPHIST) e Antropologia (PPGA).

Referências

ABRAMOWICZ, A. et al. Imagens de crianças e infâncias: a criança na iconografia brasileira dos séculos XIX e XX. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 1, p. 263-293, jan./jun. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2011v29n1p263. Acesso em: 04 abr. 2021.

ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da Infância. In: FARIA, A. L. G. de; FINCO, D. (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 17-36.

ABRAMOWICZ, A.; OLIVEIRA, F.; RODRIGUES, T. C. A criança negra, uma criança negra. In: ABRAMOWICZ, A.; GOMES, N. L. (Orgs.). Educação e raça: perspectivas políticas, pedagógicas e estéticas. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. p. 75-96.

ALMEIDA, E. C. E. de; GUIMARÃES, Jorge Almeida. A pós-graduação e a evolução da produção científica brasileira. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2013.

ASANTE, M. K. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, E. L. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 93-110.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BENTO, M. A. S. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 25-58.

CARVALHO, J. J. de. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 7, n. 15, p. 107-147, jul. 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/kNnShbTR3wLSWgCspyx8JBv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 ago. 2021.

CORRÊA, A. M. do R.; SANTOS, Raquel Amorim dos. As representações sociais de crianças negras sobre a cor em contexto escolar. Linhas Crí¬ticas, Brasília, v. 26, n. 1, p. 1–24, 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/33513. Acesso em: 01 set. 2021.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. Tradução: Lia Gabriele Regius Reis. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COSTA, M. V.; SILVEIRA, R. H.; SOMMER, L. H. Estudos culturais, educação e pedagogia. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 36-61, mai./jun. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/FPTpjZfwdKbY7qWXgBpLNCN/abstract/?lang=pt. Acesso em: 15 ago. 2021.

DEBUS, E. Meninos e meninas negras na literatura infantil brasileira: (des)velando preconceitos. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 1, p. 191-210, jan./jun. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2010v28n1p191. Acesso em: 03 set. 2021.

DEL PRIORE, M. A criança negra no Brasil. In: JACÓ-VILELA, A. M.; SATO, L. (Orgs.). Diálogos em psicologia social. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. p. 232-253.

EAGLETON, T. A ideia de cultura. São Paulo: editora UNESP, 2005.

FAZZI, R. de C. O drama racial de crianças brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FERREIRA, N. S. de A. As pesquisas denominadas “Estado da Arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, ago./dez. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v23n79/10857.pdf. Acesso em: 28 fev. 2020.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução: Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GÓES, J. R. de; FLORENTINO, M. Crianças escravas, crianças dos escravos. In: DEL PRIORE, M. (Org,). História das crianças no Brasil. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2015. p. 177-191.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei federal no 10.639/03. Brasília: MEC, SECAD, 2005. p. 39-62.

GOMES, N. L. Raça e Educação Infantil: à procura de justiça. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 17, n. 3, p. 1015-1044, jul./set. 2019. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/44232. Acesso em: 28 fev. 2021.

GONZÁLEZ-REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção de informação. São Paulo: Thonsom Learning, 2005.

HALL, S. Que “negro” é esse na cultura negra? In: HALL, S.; SOVIK, L. (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução: Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: UNESCO, 2003. p. 335-352.

JOVINO, I. da S. Crianças negras em imagens do século XIX. 2010. 131f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/14095/TeseISJ.pdf?sequence=1.

MAFRA, J. J. Ler e tomar notas: primeiros passos da pesquisa bibliográfica – orientações para produção de textos acadêmicos. 2. ed. Belo Horizonte: Edição do Autor, 2007.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. RBCS, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 15 ago. 2021.

NOGUEIRA, R. O poder da infância: espiritualidade e política em afro-perspectiva. Momento: Diálogos em Educação, Rio Grande, v. 28, n. 1, p. 127-142, jan./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8806. Acesso em: 10 set. 2021.

NOGUEIRA, R.; ALVES, L. P. Infâncias diante do racismo: teses para um bom combate. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 44, v. 2, p. 1-22, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edreal/a/s6MZxwSx8PGL9hppMfP6FPF/?lang=pt. Acesso em: 11 set. 2021

OLIVEIRA, A. L. A. R. M. de. Os estudos culturais e a questão da diferença na educação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 34, n. 20, p. 33-62, jan./abr. 2009. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/3942. Acesso em: 15 ago. 2021.

ROSEMBERG, F. A criança pequena e o direito a creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In: BENTO, M. A. da S. (Org.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT, 2012. p. 11-46.

SANTOS, B. de S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos, São Paulo, n. 79, p. 71-94, nov. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/nec/a/ytPjkXXYbTRxnJ7THFDBrgc/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 ago. 2021.

SANTOS, R. A. dos. [In]visibilidade negra: representação social de professores acerca das relações raciais no currículo escolar do Ensino Fundamental em Ananindeua (PA). 2009. 182f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

SANTOS, R. A. dos. Currículo e Relações Étnico-Raciais: a identidade da criança negra na Educação Infantil na Amazônia Bragantina. Arquivo Brasileiro de Educação, Belo Horizonte, v. 6, n. 14, mai./ago., 2018. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/arquivobrasileiroeducacao/article/view/20866. Acesso em: 15 set. 2021.

SILVA, M. P. D. da.; BRANCO, A. U. Negritude e infância: relações étnico-raciais em situação lúdica estruturada. Revista Psico, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 197-205, abr./jun. 2011. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/6516. Acesso em: 20 set. 2021.

SILVA, P. B. G. e. Crianças negras entre a assimilação e a negritude. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 9, n. 2, p. 161-187, 2015. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/1137. Acesso em: 10 ago. 2020.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Tradução: Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

MATHEUS DO ROSÁRIO CORRÊA, A.; AMORIM DOS SANTOS, R.; SARRAF PACHECO, A. Crianças negras e estudos culturais: o estado da arte em periódicos brasileiros (2010-2020). Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. 39, p. 1–27, 2023. DOI: 10.21713/rbpg.v18i39.1863. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1863. Acesso em: 27 maio. 2024.

Seção

Artigos

Publicado:

abr. 24, 2023
Palavras-chave:

Crianças negras, Estudos Culturais, Estado da Arte Niños negros, Estudios Culturales, Estado del Arte Black children, Cultural Studies, State of Art

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.