Mapeamento sobre a metodologia revisão por pares na formação inicial de professores da area de Ciências da Natureza

##plugins.themes.bootstrap3.article.sidebar##

Resumo

Este estudo objetivou investigar aplicações da metodologia Revisão por Pares com a finalidade de analisar a sua importância como uma metodologia ativa na formação inicial de professores da área das Ciências da Natureza. A pesquisa é qualitativa e do tipo exploratória, por ser uma Revisão Sistemática da Literatura, abrangendo o período de 2010 a 2021. Selecionou-se três plataformas de busca, entre elas: a Biblioteca Digital de Dissertações e Teses, o Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e a Plataforma Sucupira; adotaram-se critérios de inclusão e exclusão, e termos de busca. Analisou-se dez artigos conforme os conjuntos de informações pré-estabelecidos para a pesquisa, como: a descrição das atividades didáticas desenvolvidas; relatos de procedimentos, métodos, pontos positivos e pontos negativos; presença de investigação sobre a percepção do aluno ao receber uma crítica e ser revisor do trabalho do colega; presença de estímulo à reflexão e autocrítica por parte do aluno; relatos sobre o momento de Feedback do professor. A metodologia mostrou ser interativa, motivacional, além de despertar a criticidade, a reflexão e a argumentação. Ademais, serviu como auxílio para o licenciando revisar o conteúdo e, principalmente, preparar o professor em formação inicial para a vida profissional.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Autores
Biografia
Cíntia Moralles Camillo, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM

Doutoranda no Curso de Pós-Graduação em Educação em Ciências -Universidade Federal de Santa Maria (UFSM); Mestra em Tecnologias Educacionais em Rede/UFSM; Especialista em Estatística e Modelagem Quantitativa/UFSM; Especialista em Educação a Distância pela UNOPAR; Graduada em Matemática Licenciatura Plena pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Interesse nas temáticas: tecnologias aplicadas à educação, tecnologias e metodologias no ensino de matemática e ciências, atividades práticas no processo de aprendizagem. 

Karine Gehrke Graffunder, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM

Doutoranda em Educação em Ciências pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestra em Educação em Ciências pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Graduada em Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha (IFFar) 

Lenira Maria Nunes Sepel, Universidade Federal de Santa Maria/UFSM

Doutora em Educação em Ciências pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Professora Adjunta do Departamento de Ecologia e Evolução da UFSM

Professora Orientadora no PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde (UFSM)

Referências

BACH, M. F. Aprendizagem baseada em problemas e representações sociais: uma proposta para articulação de Química. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química) – Licenciatura em Química, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

BARBOSA, S. M.; SOUZA, N. Investigação orientada por argumentos no Ensino de Química de nível médio: uma proposta em cinética. Química Nova na Escola, v. 43, n. 1, p. 74-85, 2021.

BARNES, D. Active Learning. Leeds University TVEI Support Project. 19p., 1989.

BASSO, A. Results of a peer review activity in an organic chemistry laboratory course for undergraduates. Chem. Educ., v. 97, n. 11, p. 4073-4077, 2020.

BELL, M.; COOPER, P. Peer observation of teaching in university departments: a framework for implementation. International Journal for Academic Development, v. 18, n. 1, p. 60-73, 2013.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em revista, v. 3, n. 4, p. 119-143, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação Resolução CNE/CP nº 1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Brasília: MEC, 2020.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). 2021. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/. Acesso em: 23 de jan. 2021.

BUSKIST, W.; ISMAIL, E. A.; GROCCIA, J. E. A practical model for conducting helpful peer review of teaching. Peer review of learning and teaching in higher education, n. 6, v. 20, p. 33-52, 2014.

CAMILLO, C. M.; GRAFFUNDER, K. G. Mapeamento das contribuições de atividades experimentais no ensino de ciências. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologias, Ponta Grossa, v. 14, n. 2, p. 215-230, 2021. DOI: 10.3895/rbect.v14n2.12770.

CLASE, K. L.; GUNDLACH, E.; PELAEZ, N. J. Calibrated peer review for computer-assisted learning of biological research competencies. Biochemistry and molecular biology education, v. 8, n. 5, p. 290-295, 2010.

COGO, P. T. et al. Formação permanente do professorado: novas tendências. Revista Insignare Scientia, v. 2, n. 2, p. 286-291, 2019.

CORONA, A. H. et al. Criterios de formato y contenido en la revisión por pares de textos académicos con universitarios. Revista de Investigación en Ciencias de la Educación. v. 4, n. 16, p. 365-380, 2020.

CORRÊA NETO, A. S. Análise de requisitos da revisão pelos pares na aprendizagem. 2004. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2004.

DEMO, P.; SILVA, R. A. Ciência crítica autocrítica: validade relativa que melhor vale, por enquanto. Conhecer: debate entre o público e o privado, v. 11, n. 27, p. 7-40, 2021. DOI: https://doi.org/10.32335/2238-0426.2021.11.27.5606.

DOCHY, F.; MCDOWELL, L. Introduction: assessment as a tool for learning. Studies in Educational Evaluation, v. 23, n. 4, p. 279-298, 1997.

FINKENSTAEDT-QUINN, S. A. et al. Characterizing peer review comments and revision from a writingto-learn assignment focused on lewis structures. Chem. Educ., n. 96, v. 2, p. 227-237, 2019.
FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, p. 424, 1990.

FREITAS, L, C. Crítica da organização do trabalho pedagógico e da didática – Campinas, SP: Papirus, 1995. – (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

FREITAS, S. N. Altas Habilidades/Superdotação: processos de mediação com a utilização das tecnologias de informação e comunicação. In: MOSCA, C.; POKER, R.; OMOTE, R. (orgs.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Oficina Universitária; São Paulo, 2012.

GARVEY, W. D. Communication: the essence of science. London, New York: Pergamon, 1979.

GOLPARIAN, G.; CHAN, J.; CASSIDY, A. Peer review of teaching: sharing best practices. Collected Essays in Learning and Teaching, v. 8, p. 211-218, 2015.

GOMES, A. M. et al. Avaliar e ser avaliado: uma experiência na elaboração de projetos de pesquisa. Revista Brasileira Em Promoção Da Saúde, n. 18, v. 4, p. 165-170, 2012. DOI: https://doi.org/10.5020/939.

GRAFFUNDER, K. G. et al. Alfabetização científica e o ensino de ciências na educação básica: panorama no contexto das pesquisas acadêmicas brasileiras nos últimos cinco anos de ENPEC. Research, Society and Development, n. 9, v. 9, p. 1-34, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7122.

GRAGSON, E. D.; HAGEN, J. P. Developing technical writing skills in the physical chemistry laboratory: a progressive approach employing peer review. Chem. Educ., v. 87, n. 1, p. 62-6, 2010.

GUARALDO, T. de S. B. Metodologias ativas como espaço de gestão do conhecimento: uma experiência no ensino superior em Comunicação. Ato Z novas práticas em informação e conhecimento, v. 11, p. 1-12, 2021.

HARRIS, K. L.; FARRELL, K.; DELVIN, M.; JAMES, R. Peer review of teaching in Australian higher education: a handbook to support institutions in developing effective policies and practices. Melbourne: Centre For The Study Of Higher Education, 2008.

HIGGINS, J. P. T.; Green, S. Cochrane handbook of systematic reviews of intervention. London:The Cochrane Collaboration, 2011.

HUBBARD, B. A.; JONES, G. C.; GALHARDO-WILLIAMS, M. T. Student-generated digital tutorials in an introductory organic chemistry course. Chem. Educ., n. 96, v. 3, p. 597-600, 2019.

IBRAIM, S. de S.; JUSTI, R. Influências de um ensino explícito de argumentação no desenvolvimento dos conhecimentos docentes de licenciandos em Química. Revista Ciência Educacional (Bauru), n. 23, v. 4, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1516-731320170040005.

IMBERNÓN, F. Formação permanente do professorado: Novas tendências. São Paulo: Ed. Cortez, 2009.

JUSTINA, L. B.; RIPPEL, J. L. Ensino de Genética: representações da Ciência da hereditariedade no nível Médio. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 4., Bauru. Anais […]. Bauru: USP, 2003.

LANDER, R. S. Implementation of a faculty peer review program. Capella University: Minneapolis, 2015.

LARMER, J.; MERGENDOLLER, J.; BOSS, S. Setting the standard for project based learning: a proven approach to rigorous classroom instruction. Alexandria: ASCD, 2015.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo: Cortez; 1995.

MARQUES, M. M.; LIMA, G. C. Experimentos de química para turmas de ensino médio. Ponta Grossa, PR: Atena Editora, 2019.

MARQUESI, S. C.; AGUIAR, A. P. S. A revisão de texto por pares como metodologia ativa para o aprimoramento da escrita acadêmica. Linha D’Água, v. 34, n. 1, p. 137-158, 2021. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v34i1p137-158.

MARTENS, B.; SARETZKI, T. Conferences and courses of biotechnology: describing scientific communication by exploratory methods. Scientometrics, Amsterdam, v. 27, n. 3, p. 237-260, 1993.

MELO, M. A.; CASTRO, A. M. Revisão sistemática da literatura e metassíntese qualitativa: uma proposta de etapas para a sua condução na gestão epidemiológica. Revista de Administração da UEG, v. 8, n. 2, p. 236-1197, 2017.

MIRANDA, A. R. Um estudo sobre a natureza dos erros (orto)gráficos produzidos por crianças dos anos iniciais. Educação em Revista, v. 36, p. 1-40, 2020.

MOUL, R. A.; SILVA, F. C. A Construção de conceitos em botânica a partir de uma sequência didática interativa: proposições para o ensino de ciências. Revista Exitus, Santarém, v. 7, n. 2, p. 262-282, 2017.

MORAN, J. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L.; MORAN, J. (orgs.). Metodologias Ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

MORIN, E.; DÍAZ, C. J. D. Reinventar a educação: abrir caminhos para a metamorfose da humanidade. São Paulo, SP: Palas Athena, 2016.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de biologia. Infor, Inov. Form., Rev. NEaD-Unesp, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 355-381, 2016.

NOBRE, A.; MARTIN-FENANDES, I. Abrir caminhos para a investigação em educação: design-based research. Práxis Educacional, v. 17, n. 48, p. 234-254, 2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i48.8821.

OLIVEIRA, J. R.; PORTO, A. L.; QUEIROZ, S. L. Peer review no ensino superior de química: atividade didática para a apropriação do discurso da ciência. Educ. química, v. 25, n. 1, p. 35-41, 2014.

OZDEMIR, S. The opinions of prospective teachers on peer assessment. Educ. Res. Ver., n. 11, v. 20, p. 1859-1870, 2016.

PERON, K. A. Processo de peer review: funcionamento e contribuições no ensino superior de Química. 2016. Tese (Doutorado em Ciências) – Departamento de Química. Universidade de São Paulo, São Carlos, 2016.

POZO, J. I.; CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2009.

REDDY, Y. M.; ANDRADE, H. A review of rubric use in higher education. Assessment & Evaluation in Higher Education, v. 35, n. 4, p. 435-448, 2010.

ROCHON, P. A. et al. Comparison of review articles published in peer-reviewed and throwaway journals. JAMA. n. 21, p. 2853-2856, 2002. DOI: https://doi.org/10.1001/jama.287.21.2853.

SANTANA, C. Q.; PEREIRA, L. O caso Alice Ball: uma proposta interseccional para o Ensino de Química. Química Nova na Escola, v. 43, n. 4, p. 380-389, 2021.

SCIMAGO JOURNAL & COUNTRY RANK. "Rank Journals. Journal Indicators", 2020, Disponível em: https://www.scimagojr.com/help.php#rank_journals. Acesso em: 28 de jan. 2022.

TOPPING, K. J. Peer assessment. Theory into practice, n. 48, p. 20-27, 2009.

UÇAR, S.; YAZICI, Y. The impact of portfolios on enhancing writing skills in ESP classes. Procedia-Social and Behavioral Sciences, n. 232, p. 226-233, 2016.

VARANO, N. et al. Protocolo de revisão sistemática da literatura: dados em saúde oncológica. Research, Society and Development, v. 10, n. 14, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i14.21782.

WALKER, J. P.; SAMPSON, V. Argument-driven inquiry: using the laboratory to improve undergraduates’ science writing skills through meaningful science writing, peer-review, and revision. Chem. Educ., v. 90, n. 10, p. 1269-1274, 2013.

YANKULOV, K.; COUTO, R. Peer review in class: metrics and variations in a senior course. Biochemistry and Molecular Biology Education, v. 40, n. 3, p. 161-168, 2012.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Ed. Artmed, Porto Alegre - RS, 2010.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##


Como Citar

MORALLES CAMILLO, C.; GEHRKE GRAFFUNDER, K.; MARIA NUNES SEPEL, L. Mapeamento sobre a metodologia revisão por pares na formação inicial de professores da area de Ciências da Natureza. Revista Brasileira de Pós-Graduação, [S. l.], v. 18, n. 39, p. 1–32, 2022. DOI: 10.21713/rbpg.v18i39.1986. Disponível em: https://rbpg.capes.gov.br/rbpg/article/view/1986. Acesso em: 23 maio. 2024.

Seção

Artigos

Publicado:

set. 26, 2022
Palavras-chave:

Evaluation. Active Methodologies. Peer Review. Evaluación. Metodologías Activas. Revisión por pares. Avaliação, Metodologias ativas, Peer review

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.